Arquivo da Categoria ‘Imagem do passado’

A SÃO PAULO QUE DEIXOU SAUDADES

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

LARGO DA SÉ – 1904

Em destaque a antiga Igreja de São Pedro das Pedras, na esquina da rua Floriano Peixoto. No fim desta rua, parte do Solar da Marquesa de Santos.
A rua Floriano Peixoto teve o nome primitivo de rua da Fundição pois abrigava os fundos da Casa da Fundição dos Reais Quintos de São Paulo, que tinha entrada pelo Pátio do Colégio. A instituição começou a funcionar no local em 1730. Fechada e reerguida em 1751, manteve-se em atividade até 1762, foi abolida e depois reaberta, para ser desativada definitivamente em 1818. A troca de nome da rua, homenagem ao presidente da República Floriano Peixoto, deu-se a 1º de agosto de 1907.
A Igreja de São Pedro da Pedra (ou dos Clérigos) foi demolida em 1911 e em seu lugar foi construído o edifício Rolim, existente até hoje.

1902

Vista da Estação da Luz, tomada da Igreja de São Cristóvão, à época integrada ao Seminário Episcopal.
No primeiro plano, à esquerda, vê-se a passagem dos trilhos da São Paulo Railway sob o nível do pontilhão que leva à rua Brigadeiro Tobias,
e as edificações da rua da Estação (depois rua Mauá).
No centro, ao fundo, pode-se ver a torre da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, situada à alameda Glete, nos Campos Elíseos.
E, à direita, em primeiro plano o largo do Jardim, ponto inicial da avenida Tiradentes, seguido de parte do Liceu de Artes e Ofícios, obra
de Ramos de Azevedo atualmente ocupada pela Pinacoteca do Estado, e o Jardim da Luz.
1905
Vista do Clube de Regatas São Paulo, situado nas imediações da Ponte Grande (atual Ponte das Bandeiras).
Fundado em 1903 às margens do rio Tietê, foi um dos primeiros centros esportivos da cidade, sendo sucedido
em 1907 pelo Clube de Regatas Tietê.
SP

1920
Vista do Teatro Municipal e da praça Ramos de Azevedo, provavelmente a partir do edifício da Light.
Com as obras iniciadas em junho/1903, foi inaugurado em 12/setembro/1911 com apresentação da ópera Hamlet, diante de
seus 1.816 lugares lotados e grande congestionamento de automóveis nos arredores.


1920
Rua 15 de Novembro, em direção à praça da Sé, tomada da praça Antonio Prado.
Uma das principais vias públicas da cidade, onde se achavam luxuosos comércios, os mais elegantes pontos de encontro além
de grande número de estabelecimentos bancários e profissionais, formava com as ruas Direita e São Bento o chamado “triângulo”,
região de grande concentração de lazer e negócios.
1902

Vista da avenida Paulista, no sentido da Consolação, a partir do palacete de Adam von Bülow, situado entre as
alamedas Campinas, que se vê no primeiro plano, e a Joaquim Eugênio de Lima. O palacete foi substituído pelo
edifício Paulicéia, existente ainda hoje no local. No horizonte, o Morro do Jaraguá.
A avenida foi inaugurada em 1891 com seus quase 3 km de extensão e 30 m de largura, por vários anos sem energia
elétrica e sem calçamento e, em pouco tempo, tornou-se o ponto mais aristocrático da capital, reunindo a elite paulista,
que ali construiu suas sofisticadas mansões.

1920
Vista frontal do Mosteiro de São Bento e do largo de mesmo nome.
O novo edifício, que substituiu o primitivo mosteiro, teve sua pedra fundamental lançada em 13 de novembro de 1910 e sua cerimônia de sagração em 1922. À direita pode-se ver o início da rua Florêncio de Abreu.

1920
Vista do largo de São Bento, em direção à rua São Bento e à Igreja de São Francisco, cujo frontão pode-se vislumbrar ao fundo.
O casario que se vê à esquerda mantém-se até os dias de hoje com as mesmas características, da mesma forma ocupado por
estabelecimentos comerciais.
No centro, à esquerda, na esquina com a rua Boa Vista, vê-se o prédio do famoso Hotel d’Oeste, reconstruído após incêndio
de 1901 e, à direita, área que fora do jardim, agora tomada pelos automóveis.
1915
Vista de uma das pontes metálicas da praça da República, ainda lá existente, apesar das inúmeras transformações ocorridas na praça.

1920
Vista em perspectiva do Palacete Prates, a partir do Viaduto do Chá.
Construído em 1911 e adaptado em 1913 para abrigar o Automovel Club, foi demolido em 1950.
Atualmente, no local está o edifício Conde Prates, inaugurado em 1957.
1912
Vista da rua 15 de Novembro, na confluência com o largo da Sé. No centro da imagem está o edifício da Casa Lebre, na esquina com a rua Direita, e a Casa Baruel, no edifício com a cúpula. No edifício da direita, funcionava o antigo Café Girondino.

por Guilherme Gaensly
O artista suíço (1843-1928) foi um dos principais fotógrafos da entrada do século XX em São Paulo, quando, a serviço de companhias como a São Paulo Tramway, Light & Power, documentou as intensas mudanças urbanas. Mesmo tendo iniciado suas atividades em Salvador, estão em terras paulistas as imagens que se multiplicaram com sua assinatura, como casarões cafeeiros do interior e mansões dos emergentes bairros da belle époque, premiadas em mostras como a Louisiana Purchase Exposition, em Saint Louis (EUA), no ano de 1904.
Fonte: Coleção  Folha SÀo Paulo Antiga


Revista Playboy – A 1ª Playmate foi Marilyn Monroe em 1953. Naquele tempo, as fotos eram sensuais, nunca pornográficas.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 01/06 /1926, Los Angeles, EUA
05/08/ 1962, Los Angeles, EUA

Sua mãe ou sua avó tinham uma. Você chegou a conhecer?

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Quem não se lembra das velhas máquinas de costura Singer?

E quem nunca viu uma máquina destas a coser roupa? Poucos, com certeza. Mas daqueles que já viram a máquina de costura a funcionar quantos perceberam como é que ela funcionava e entrelaçava as linhas? Bom… aqui se calhar já são muitos. Mas não se preocupem, olhem para a imagem animada abaixo que logo percebem como as duas linhas, a que vem da canela e a que vem da agulha, se entrelaçam para fazer um ponto de costura. Engenhoso…

Fonte: O Funil 

HITLER PODE SER CONSIDERADO O “PAI ADOTIVO” DO FUSCA?

domingo, 5 de dezembro de 2010

O engenheiro Josef Ganz (foto) reconheceu em vida que o ditador viabilizou seu projeto de carro popular.

O jornalista Paul Schilperoord autor do livro “A Verdadeira História do Fusca” (editora Alaúde)diz que Josef Ganz reconhecia que, sem o entusiasmo de Adolf  Hitler, dificilmente o Fusca teria sido produzido em massa -objetivo maior de Ganz.

A história do Fusca começou em 1933, quando   Hitler ordenou a Ferdinand Porsche, foto abaixo, (o mesmo Ferdinand Porsche  que é muito mais conhecido pelos carros esportivos que levam seu nome) que desenvolvesse um  carro popular – Volkswagen, em alemão.

O jornalista Paul Schilperoord afirma que Porsche foi creditado como o designer do Fusca, mas o conceito do carro vem inteiramente de Josef Ganz. Até os nomes Volkswagen e Fusca foi ele quem inventou! Em minha opinião, diz ele, Josef Ganz deveria ser creditado pelo conceito de “carro do povo“, por ter construído os primeiros protótipos e também por haver promovido essas novas ideias, ao longo de vários anos, na revista que dirigia, a “Motor Kritik“.

Já Porsche deveria ser creditado por liderar a equipe de designers que desenvolveu o Volkswagen Fusca para a linha de produção.Os requisitos básicos estabelecidos foram que o carro deveria ser capaz de transportar dois adultos e três crianças a 100 quilômetros por hora  e custar 990 Reichsmarks, cerca de doze mil reais de hoje.Segundo o jornalista, Hitler sempre foi um entusiasta de carros grandes e sempre se mostrou muito favorável ao desenvolvimento de carros modernos e de autoestradas.

Também estimulou muito a criação de carros de corrida e subsidiou com milhões de marcos o sindicato das montadoras e a Mercedes-Benz.

Após a II Guerra Mundial, com a derrota da Alemanha, a fábrica da VW foi  entregue aos ingleses, para   ser desmontada e transportada para a Inglaterra. Mas os fabricantes de automóveis britânicos não  perceberam o que tinham em mãos e disseram:  ”O veículo tecnicamente é muito ruim… não atrairá o comprador médio… sua construção será antieconômica…” – assim, a VW permaneceu na Alemanha e o futuro foi aquele que se conhece…

  

 

Este é o famoso azulejo de Toledo

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Este azulejo foi encontrado no município de Toledo (Espanha), mas poderia ter sido encontrado em qualquer município brasileiro. Nesse caso, nele estaria escrito:

A SOCIEDADE É ASSIM:
O POBRE TRABALHA
O RICO EXPLORA
O SOLDADO DEFENDE OS DOIS
O CONTRIBUINTE PAGA PELOS TRÊS
O VAGABUNDO DESCANSA PELOS QUATRO
O BÊBADO BEBE PELOS CINCO
O BANQUEIRO “ESFOLA” OS SEIS
O ADVOGADO ENGANA OS SETE
O MÉDICO MATA OS OITO
O COVEIRO ENTERRA OS NOVE
O POLÍTICO VIVE DOS DEZ

Imagem do passado (03)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

 

A atriz Bebe Daniels (1901 -1971) encena uma noiva cercada por suas damas de honra para o filme “Reaching For The Moon” dirigido por Edmund Goulding para United Artists. Estados Unidos, aproximadamente 1930.

Imagem do passado (02)

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Show Internacional de Motores em Londres.                         Inglaterra, Londres, em 1932

Imagem do passado

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Fonte: Hagop Garagem