Arquivo da Categoria ‘Saúde’

Você sabia? Lipoaspiração faz gordura mudar de lugar. “Lipo” não emagrece, lembram os médicos.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Uma lipoaspiração pode reduzir a gordura de coxas e quadril. E, com o tempo, trazer novas curvas não desejadas, diz estudo da Universidade de Colorado, nos EUA.

A pesquisa, publicada no periódico “Obesity”, mostrou que, em um ano, a gordura retirada das coxas volta a se acumular na parte superior do abdome e nos braços.

Os autores acompanharam 32 mulheres na faixa dos 36 anos, que tiveram suas circunferências corporais e percentuais de gorduras medidos. Dois meses após a lipoaspiração, elas tinham perdido 2% de gordura e quase o mesmo em circunferência.

Um ano depois, as medidas foram reavaliadas. A gordura total voltou aos índices originais, mas concentrada na parte superior do corpo.

Segundo os pesquisadores, isso acontece porque o corpo “defende” suas reservas de gordura. Se as células adiposas são eliminadas de uma área, a gordura vai “inchar” células em outro lugar.

“Observamos isso na prática”, diz Carlos Alberto Komatsu, presidente da SBCP-SP (regional paulista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).

Mas, para ele, os pesquisadores deveriam ter orientado as mulheres a mudar a alimentação.

“Se você come mais do que gasta, a gordura volta mesmo”, afirma Komatsu.

INFLAMAÇÃO
Além do acúmulo de gordura em outros lugares, a lipoaspiração pode ter outras consequências.

Um estudo da SBCP-SP, ainda em andamento, mostra que, quando a retirada de gordura passa de três litros, os níveis de substâncias do corpo que sinalizam inflamação sobem bastante.

“Uma hora, a coisa desanda. Você mexe de um lado, sobe de outro”, diz Komatsu.

Fonte: New York Times

NÃO MINTA!!! UM DESSES VOCÊ JÁ TOMOU!!! (rsrsrs)

quarta-feira, 24 de abril de 2013

XAROPE “BROMIL”: ANÚNCIO DE 1930
XAROPE “DIVINO”: ANÚNCIO DE 1928

XAROPE “DRINAL”: ANÚNCIO DE 1942


XAROPE “ROCHE”: ANÚNCIO DE 1926


XAROPE “GRINDELIA”: ANÚNCIO DE 1926
Fonte: Humor Darwinista

Veja como livrar sua casa de doenças e proteger a família.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Pesquisa revela que até superfícies aparentemente limpas têm germes que fazem mal à saúde. Saiba quais são os pontos críticos do seu lar e como desinfetá-los corretamente

Qualquer dona de casa com o mínimo de noção de higiene sabe que cozinha e banheiro sujos são fontes de doenças, como infecções intestinais. Mas todo cuidado é pouco: locais aparentemente limpos podem ser ‘habitat’ de germes que também fazem mal à saúde. Levantamento da organização internacional Hygiene Council realizado em 180 domicílios de 9 países indicou como pontos mais sujos das casas rejuntes de piso de banheiro, parte interna de refrigeradores, panos de cozinha e cabos de chaleira.

Objetos constantemente manuseados — controles remotos, maçanetas e interruptores de luz — também precisam de limpeza reforçada.

Mais de um terço dos rejuntes de banheiro analisados pareciam limpos, mas 70% foram reprovados em testes bacterianos e 56% tinham bolores. As bactérias podem transmitir, entre outras doenças, infecções digestivas. Já o mofo acarreta problemas respiratórios e alergias. O segundo local mais problemático foi a parte interna de refrigeradores: 46% não passaram em testes bacterianos e 44% tinham mofo. Um terço dos panos de cozinha foram classificados como ‘insatisfatoriamente limpos’, embora em 42% dos lares analisados eles fossem trocados diariamente. Outra curiosidade é que cabos de chaleiras (e de panelas) estavam mais sujos do que teclados de computador, geralmente apontados como muito problemáticos em termos de contaminação.

Segundo o professor titular de microbiologia da Universidade Gama Filho, João Carlos Tórtora, a cozinha costuma, de fato, ser o espaço com mais microorganismos da casa, embora o banheiro abrigue os mais perigosos. “Com o banheiro, fora a questão do rejunte, que engana por causa da aparência, geralmente já se tem preocupação com a limpeza. Na cozinha, há uma diversidade de microorganismos introduzidos por produtos de hortifruti e carne”, explica.

SAIBA QUAIS OS PONTOS CRÍTICOS DE SEU LAR

SALA

CONTROLE REMOTO, TELEFONES, INTERRUPTORES DE LUZ
São alguns dos objetos mais manuseados da casa, por isso passam infecções de uma pessoa para outra e merecem atenção especial.

LIVROS E CDS
Acumulam poeira.

QUINTAL

ANIMAIS
Cães e gatos carregam uma bactéria que pode causar intoxicação alimentar em seres humanos.

QUARTO

ROUPA DE CAMA E TRAVESSEIROS
Têm ácaros, pelos e vírus

CORTINA E COLCHÃO
Concentram ácaros

NA CASA TODA

LIXEIRAS
Devido ao lixo, elas costumam ter nível de microorganismos muito alto.

MAÇANETAS (DE PORTAS, ARMÁRIOS, GAVETAS ETC)
Mesmo quando você lava as mãos, outros talvez não o façam: germes, bactérias e vírus que ficam ali podem passar para você.

BANHEIRO

REJUNTES DE PISO
Campeões de acúmulo de sujeira. Em mais de 70% das casas, há bactérias. Em cerca de 56%, bolores.

BOXES
Devido à umidade, podem abrigar fungos que causam problemas respiratórios

TORNEIRAS E BOTÕES DE DESCARGA
Muito tocadas por mãos, podem ter germes mais nocivos que o assento da privada.

COZINHA

GELADEIRA
A parte interna é o segundo lugar mais sujo da casa (atrás apenas dos rejuntes de piso de banheiro). Em quase 50% das casas há acúmulo de bactérias e mofo. Temperaturas inadequadas fazem a situação piorar.

PIA E CHÃO
Contêm 100 vezes mais germes que a privada.

TÁBUA DE CORTE
Carne crua e alguns vegetais podem contaminar tanto as tábuas como outras superfícies com as quais têm contato.

ESPONJA E PANO DE PRATO
Quase 40% dos panos são muito sujos, embora 42% das pessoas o troquem diariamente, segundo a pesquisa.

BANCADA
‘Viveiro’ para bactérias, que podem sobreviver por longos períodos e contaminar pessoas que as tocam.

CABOS DE PANELAS
A contaminação acontece durante o contato dos cabos com as mãos de quem cozinha, durante o preparo de alimentos.

QUARTO DE CRIANÇA

CHÃO
Local em que normalmente os pequenos brincam, é contaminado por germes trazidos por sapatos que vêm da rua.

BRINQUEDOS
Podem facilmente transmitir germes e vírus de uma criança para outra. É necessário mantê-los sempre limpos.

RECEITAS CASEIRAS

Existem várias opções de limpadores de superfície com desinfetantes no mercado. Um dos mais conhecidos ao redor do mundo é o Dettol. Quem precisar de uma solução mais em conta pode fazer receitas caseiras que têm bom resultado. Mas lembre-se: mantenha as misturas fora do alcance de crianças e animais.

PARA DESINFETAR SUPERFÍCIES DE COZINHA

Dissolva 1 colher de água sanitária (cloro) em 1 litro de água. Se precisar de quantidades maiores, usar a mesma proporção.

Pode-se lavar até alimentos, como vegetais: mergulhe durante 20 minutos, depois volte a lavar com água.

PARA AS SUPERFÍCIES DE BANHEIRO

Misture 250 ml de água com 750 ml de álcool 92%.

A mistura resulta em 1 litro do álcool 70%, que não é mais vendido no mercado.

DICAS

ALIMENTOS
Vegetais devem ser limpos antes de ir para a geladeira. E carne, embalada.

PANOS DE PRATO
Se forem reutilizados, devem ser fervidos a 50 graus ou mais.

LOUÇA
As que tiverem rachaduras devem ser descartadas.

LIXEIRAS
Prefira as de pedal, pois reduzem contato com as mãos.

AZULEJOS
O ideal é evitá-los: quanto menos rejuntes, melhor. Se não for possível, limpar com água e detergente e, após, desinfetante.

COLCHÃO, FRONHA, LENÇOL
Roupa de cama deve ser lavada a 50 graus ou mais, semanalmente. Colchão concentra muitos ácaros, em especial na parte de baixo. Vire-o a cada 15 dias.

CORTINAS
Prefira persianas plásticas.

SAPATOS
Deve-se evitar entrar nos quartos com os calçados usados na rua.

TÁBUA DE CORTE
Limpe com desinfetante. Use uma para carnes e outra para vegetais.

ANIMAIS
Lave as mãos após contato co
m eles. Tigelas de comida e água devem ser bem limpas.


Fonte: “O Dia”

A dor no idoso

segunda-feira, 22 de abril de 2013

“Dor no idoso é não somente subestimada mas também negligenciada”. Essa é a primeira linha de um artigo que oferece um roteiro prático para o controle da dor no idoso, publicado na revista “Age and Ageing”.

O trabalho foi elaborado por Aza Abdulla e colaboradores das sociedades britânicas de geriatria e da dor.

Os autores lembram que a ocorrência de alterações fisiológicas e as mudanças psicossociais fragilizam esses pacientes.

Por isso, explicam eles, o tratamento desse problema não deve ficar limitado à medicação básica, deixando de lado opções que aliviem o sofrimento.

Entre as opções estão as atividades físicas, adaptadas à preferência e à capacidade individual, como caminhadas, exercícios físicos feitos de forma progressiva, hidroterapia, tai chi e ioga.

Esse tipo de atividade não apenas ajuda na dor persistente mas também contribui para prevenir as dolorosas e por vezes graves quedas dos idosos.

Entre os vários medicamentos sugeridos estão, além de injeções intra-articulares, os analgésicos de uso tópico para o joelho, em caso de osteoartrite.

Os autores lembram da necessidade de controle no uso de medicamentos orais, já que eles podem desencadear efeitos colaterais, como prisão de ventre crônica ou, eventualmente, problemas de estômago, em especial no caso dos anti-inflamatórios não esteroides.

Julio Abramczyk, médico formado pela Escola Paulista de Medicina/Unifesp, faz parte do corpo clínico do Hospital Santa Catarina, onde foi diretor-clínico.

DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Gripe x resfriado (Foto: Arte/G1)

INSTALE UM CÂNCER COM SUCESSO

terça-feira, 9 de abril de 2013

NOTA DO BLOG:

AMIGO(A) FUMANTE, PARE ENQUANTO É TEMPO!!!

SOU HIPERTENSO. O QUE FAZER?

segunda-feira, 8 de abril de 2013

A hipertensão é uma doença que atinge um grande número de pessoas em todo o mundo. No Brasil, por exemplo, estima-se que 15% a 20% da população adulta possa ter pressão alta. Embora o problema ocorra predominantemente na fase adulta, o número de crianças e adolescentes hipertensos vem aumentando a cada dia.

 Este texto visa informar e esclarecer algumas dúvidas básicas que os pacientes possam ter ao longo deste processo, além de fornecer orientações de prevenção e melhorias dos hábitos do dia-a-dia.

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL?

A pressão alta (hipertensão arterial) caracteriza-se pela presença de níveis de pressão arterial elevados associados a alterações no metabolismo do organismo, nos hormônios e nas musculaturas cardíaca e vascular.

Considerada um dos principais fatores de risco de doença, é responsável por cerca de 40% dos casos de aposentadoria precoce e de absenteísmo no trabalho em nosso meio. É uma condição de causas multifatoriais que deve receber a atenção e o cuidado de todos. Atualmente observamos a ampliação e o aperfeiçoamento dos métodos de diagnóstico, de tratamento e da abordagem multiprofissional do paciente hipertenso. Também é importante considerar a implementação de estratégias que visem prevenir a doença antes que ela ocorra.

O QUE CONTRIBUI PARA O APARECIMENTO DA HIPERTENSÃO?

O aumento da pressão arterial com a idade não representa um comportamento fisiológico normal do seu organismo. A prevenção desse aumento constitui o meio mais eficiente de combater a hipertensão arterial, evitando-se as dificuldades e o elevado custo social de seu tratamento e de suas complicações.

Pesquise se em sua família existem pessoas hipertensas. Caso faça parte deste grupo, procure orientação sobre como começar a agir para dificultar o aparecimento desta característica em seu organismo.

A ocorrência de níveis elevados de pressão arterial é facilitada pelo estilo de vida: elevada ingestão de sal, baixa ingestão de potássio, alta ingestão calórica e excessivo consumo de álcool. Os dois últimos fatores de risco são os que mais contribuem para o desenvolvimento de peso excessivo ou obesidade, que estão diretamente relacionados à elevação da pressão arterial. O papel do teor de cálcio, magnésio e proteína da dieta na prevenção da pressão arterial ainda não está definido

O estresse psicológico e o sedentarismo ainda aguardam provas mais definitivas de participação como fatores de risco, embora existam evidências de que sua modificação pode ser benéfica no tratamento da hipertensão arterial.

Uma vez hipertenso, o paciente deve saber como fazer para prevenir as complicações da pressão alta, como as doenças do coração e dos vasos sangüíneos. No passado, era difícil diagnosticar e controlar a pressão arterial, mas atualmente os estudos científicos já definiram que pequenas mudanças no seu dia-a-dia são capazes de tornar sua vida melhor. Basta conhecê-las e aplicá-las.

O aumento do risco cardiovascular ocorre também pela agregação de outros fatores, tais como tabagismo e dislipidemiasalterações nos níveis de colesterol e triglicérides, intolerância à glicose e diabetes melito.

O QUE FAZER PARA PREVENIR E CONTROLAR A PRESSÃO ALTA?

Controle do peso

Confira o seu índice de massa corporal. Basta fazer o cálculo do seu peso em quilogramas dividido pelo quadrado da sua altura em metros. O resultado deve estar situado em um índice de massa corporal entre 20 kg/m² e 25 kg/m².

 

Para manter o seu peso em uma faixa de peso ideal você deve seguir uma dieta hipocalórica balanceada orientada individualmente por um nutricionista, evitando o jejum ou o uso de dietas “milagrosas”, que causam mais danos ao organismo que benefícios. Esta dieta deve constituir-se de uma mudança em busca da ingestão de alimentos mais saudáveis que respeitem suas preferências.

O aumento de atividade física diária deve estar associado à mudança de hábitos alimentares. Esta prática deve ser orientada e estimulada por profissionais com treinamento específico e com prévia avaliação médica.

O uso de anorexígenos – remédios para emagrecer – não é aconselhável pelo risco de complicações cardiovasculares. Esses objetivos devem ser permanentes, evitando-se grandes e indesejáveis flutuações do peso.

A perda de peso é muito importante, mas não mais que a manutenção do peso alcançado com as mudanças de hábitos citadas acima.

Redução da ingestão de sal (cloreto de sódio)

saleiro

Limitar a ingestão diária de sódio ao máximo de 2,4 g de sódio ou 6 g de cloreto de sódio (uma colher de chá). Esse total deve incluir o sódio contido nos alimentos naturais e manufaturados. O sal é considerado um fator importante no desenvolvimento e na intensidade da hipertensão arterial. Sua restrição também está associada a uma redução da mortalidade por acidente vascular encefálico e regressão da hipertrofia ventricular esquerda – aumento da musculatura do ventrículo esquerdo do coração.

Na prática, devem ser evitados alimentos enlatados, conservas, embutidos e defumados. Utilizar o mínimo de sal no preparo dos alimentos, além de evitar o uso de saleiro à mesa, durante as refeições. Para que o efeito hipotensor máximo da restrição salina se manifeste, é necessário um intervalo de pelo menos 8 semanas.

 

EXEMPLOS DE ALIMENTOS RICOS EM SAL:

* Sal de cozinha (cloreto de sódio) e temperos industrializados;

* Alimentos industrializados (ketchup, mostarda, molho shoyu, caldos concentrados);

 * Embutidos (salsicha, mortadela, lingüiça, presunto, salame, paio);

 * Conservas (picles, azeitona, aspargo, palmito);

* Enlatados (extrato de tomate, milho, ervilha);

* Bacalhau, carne seca, defumados;

 * Aditivos (glutamato monossódico) utilizados em alguns condimentos e sopas de pacote;

 * Queijos em geral.

AUMENTO DA INGESTÃO DE POTÁSSIO

É recomendável que a ingestão diária de potássio fique entre 2 e 4g, contidos em uma dieta rica em frutas e vegetais frescos.

 

A ingestão do potássio pode ser aumentada pela escolha de alimentos pobres em sódio e ricos em potássio (feijão, ervilha, vegetais de cor verde-escuro, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata inglesa e laranja).

Existe a possibilidade de o potássio exercer efeito anti-hipertensivo, ter ação protetora contra danos cardiovasculares e servir como medida auxiliar em pacientes submetidos a terapia com diuréticos – que expoliam o potássio, desde que não existam contra-indicações.

REDUÇÃO OU ABANDONO DA INGESTÃO DE ÁLCOOL

O consumo excessivo de álcool eleva a pressão arterial, causa variações nos níveis pressóricos, aumenta a prevalência de hipertensão, é fator de risco para acidente vascular encefálico, além de ser uma das causas de resistência a medicamentos anti-hipertensivos.

Para os hipertensos do sexo masculino que fazem uso de bebida alcoólica, é aconselhável que o consumo não ultrapasse 30 ml de etanol/dia, contidos em 60 ml de bebidas destiladas (uísque, vodca, aguardente, etc.), 240 ml de vinho ou 720 ml de cerveja.

Em relação às mulheres e indivíduos de baixo peso, a ingestão alcoólica não deve ultrapassar 15 ml de etanol/dia – metade do preconizado para os homens. Aos pacientes que não conseguem se enquadrar nesses limites de consumo, sugere-se o abandono do consumo de bebidas alcoólicas.

PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS

Praticar exercícios físicos aeróbios por um período de 30 a 45 minutos por dia, três a cinco vezes por semana é um bom começo.

O exercício físico regular reduz a pressão arterial, além de contribuir para a diminuição do peso corporal e de ter ação coadjuvante no tratamento das dislipidemias, da resistência à insulina, do abandono do tabagismo e do controle do estresse. Contribui, ainda, para a redução do risco de indivíduos normotensos desenvolverem hipertensão.

O baixo nível de condicionamento físico está associado a maior risco de óbito por doenças coronarianas e cardiovasculares em homens sadios, independentemente dos fatores de risco convencionais.

Exercícios isométricos, como levantamento de peso, não são recomendáveis para indivíduos hipertensos. Pacientes em uso de medicamentos anti-hipertensivos que interferem na freqüência cardíaca (como, por exemplo, betabloqueadores) devem ser previamente submetidos a avaliação médica.

SUPLEMENTO DE CÁLCIO E MAGNÉSIO

Manter ingestão adequada de cálcio e magnésio. A suplementação dietética ou farmacológica desses cátions ainda não tem embasamento científico suficiente para ser recomendada como medida preventiva.

A manutenção de ingestão adequada de cálcio é uma medida recomendável na prevenção da osteoporose.

COMBATE AO TABAGISMO

O cigarro eleva agudamente a pressão arterial e favorece o desenvolvimento e as complicações da aterosclerose – doença crônica e degenerativa que leva à obstrução das artérias por depósito de gorduras em seu interior. A interrupção do fumo reduz o risco de acidente vascular encefálico – derrame, de doença isquêmica do coração – infarto, de doença vascular arterial periférica – trombose e de morte súbita.

A exposição ao fumo (tabagismo passivo) também deve ser evitada, pois o tabagismo é a mais importante causa modificável de morte.

DISLIPIDEMIAS

A hipercolesterolemia – aumento do colesterol ruim no sangue ou LDL-colesterol é um dos maiores fatores de risco cardiovascular. Os alimentos ricos em colesterol ou em gorduras saturadas são: porco (banha, carne, bacon, torresmo), carne de gado com gordura visível, lingüiça, salame, mortadela, presunto, salsicha, sardinha, miúdos (coração, moela, fígado, miolos, rim), dobradinha, caldo de mocotó, frutos do mar (camarão, mexilhão, ostras), pele de frango, couro de peixe, leite integral, creme de leite, nata, manteiga, gema de ovo e suas preparações, frituras com qualquer tipo de gordura, óleo, leite e polpa de coco, azeite de dendê, castanhas, amendoim, sorvetes, chocolate e derivados.

O HDL-colesterol – conhecido como bom colesterol – quando está baixo, pode ser aumentado em resposta à redução do peso, à prática de exercícios físicos e à suspensão do hábito de fumar.

O aumento dos triglicerídeos deve ser tratado com as medidas dietéticas referidas anteriormente, acrescidas da redução da ingestão de carboidratos simples e de bebidas alcoólicas. Quando necessário, recomenda-se o uso de fibratos, prescritos por seu médico.

Entre os alimentos que aumentam os triglicérides estão todas as preparações que contenham açúcar. Mel e derivados, cana de açúcar, garapa, melado, rapadura, bebidas alcoólicas e todos os alimentos ricos em gordura.

Como medidas dietéticas gerais recomenda-se aumentar o conteúdo de fibras da dieta, substituir os carboidratos simples (açúcar, mel e doces) pelos complexos (massas, cereais, frutas, grãos, raízes e legumes), restringir bebidas alcoólicas, reduzir a ingestão de gorduras saturadas, utilizando preferencialmente gorduras mono e poliinsaturadas na dieta.

INTOLERÂNCIA À GLICOSE E DIABETES MELITO

Resistência à insulina e diabetes melito são condições freqüentemente associadas à hipertensão arterial, favorecendo a ocorrência de doenças cardiovasculares, principalmente coronarianas. Sua prevenção tem como base a redução da ingestão calórica, a prática regular de exercícios físicos aeróbios e a redução da ingestão de açúcares simples.

MENOPAUSA

A diminuição da atividade estrogênica – estrôgenio é um dos hormônios femininos – após a menopausa aumenta de duas a quatro vezes o risco cardiovascular. A reposição hormonal provavelmente diminui esse risco, exercendo efeito favorável sobre o perfil lipídico (diminuição do LDL-colesterol e aumento do HDL-colesterol), sem efeito significativo sobre a pressão arterial. Converse com seu ginecologista sobre isto.

ESTRESSE OXIDATIVO

Acumulam-se evidências de que o estresse oxidativo é um fator de risco relevante para doença cardiovascular, podendo associar-se com dieta hipercalórica e pobre em frutas e vegetais. A correção desse desvio alimentar pode minimizar esse risco. Todavia, a recomendação para suplementar antioxidantes requer evidências mais consistentes.

ESTRESSE PSICOLÓGICO

A redução do estresse psicológico é recomendável para diminuir a sobrecarga de influências neuro-humorais do sistema nervoso central sobre a circulação. Contudo, a eficácia de técnicas terapêuticas de combate ao estresse com vistas à prevenção e ao tratamento da hipertensão arterial ainda não está estabelecida universalmente.

Há evidências de possíveis efeitos do estresse psicossocial na pressão arterial relacionadas a “condições estressantes”, tais como pobreza, insatisfação social, baixo nível educacional, desemprego, inatividade física e, em especial, aquelas atividades profissionais caracterizadas por altas demandas psicológicas e baixo controle dessas situações.

Técnicas de relaxamento, tais como ioga, biofeedback, meditação transcendental, tai chi chuan e psicoterapia, não são superiores a técnicas fictícias ou a automonitorização.

MEDICAMENTOS QUE PODEM AUMENTAR A PRESSÃO ARTERIAL

Algumas medicações podem infuenciar a sua pressão. Se você faz uso de algum dos medicamentos citados abaixo, converse com o seu médico. Ele saberá como você deve agir.

Anticoncepcionais orais, antiinflamatórios não-esteróides, anti-histamínicos e descongestionantes, antidepressivos tricíclicos, corticosteróides, esteróides anabolizantes, vasoconstritores nasais, carbenoxolona, ciclosporina, inibidores da monoaminoxidase (IMAO), chumbo, cádmio, tálio, alcalóides derivados do “ergot”, moderadores do apetite, hormônios tireoideanos (altas doses), antiácidos ricos em sódio e eritropoetina.

OUTRAS DICAS DE DIETA

Recomenda-se aumentar o conteúdo de fibras da dieta (grãos, frutas, cereais integrais, hortaliças e legumes, preferencialmente crus).

Preparar as carnes de aves sem a pele e os peixes sem o couro, retirar a gordura visível das carnes vermelhas, evitar o uso de gorduras saturadas no preparo dos alimentos, dar preferência aos produtos desnatados e às margarinas cremosas.

São exemplos de óleos insaturados: soja, canola, oliva, milho, girassol e algodão, preferencialmente os três primeiros.

 Evitar o uso de óleo de coco e dendê.

 Evitar frituras. Ingerir alimentos cozidos, assados, grelhados ou refogados.

Preferir ervas, especiarias e limão para temperar os alimentos.

Note que os alimentos não são proibidos na sua dieta. Todos nós temos direito a um churrasquinho no final de semana junto com os amigos. O que deve estar na sua mente é que é possível ficar bem com uma dieta mais equilibrada. O benefício para o seu organismo compensa o seu esforço de mudança. Você se sentirá mais ativo e com mais disposição para as tarefas diárias. Sua produtividade vai aumentar e, com ela, todos os resultados serão alcançados mais rapidamente.

MUDE SEUS HÁBITOS E VIVA TRANQUILO

Essas medidas preventivas devem ser adotadas desde a infância. Toda a família deve participar e colaborar na melhoria da qualidade de vida. Uma vez que bons hábitos são adquiridos, fica fácil mantê-los. Controle do peso, dieta balanceada e prática de exercícios físicos regulares são medidas simples, que, quando implementadas desde fases precoces da vida, representam benefício potencial sobre o perfil de risco para doenças cardíacas e vasculares.

A presença de fatores de risco não-modificáveis, tais como homens com mais de 45 anos e mulheres com mais de 55 anos, parentes de primeiro grau com doença coronariana em idades prematuras (homens com menos de 55 anos e mulheres com menos de 65 anos), significa que é necessário um maior rigor no controle dos fatores de risco modificáveis.

Uma equipe de apoio com profissionais de especialidades diferentes como nutricionistas, enfermeiros, médicos e professores de educação física podem auxiliá-lo a seguir um programa preparado especialmente para você.

Também é interessante participar de grupos de hipertensos para conhecer pessoas que, na mesma situação, muitas vezes se adaptam de forma prazerosa às novas atividades. Também é uma ótima oportunidade para criar novos amigos.

por Dr. Carlos Takahiro Chone

Como não ir além dos seus limites

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Será que só eu e você temos a sensação de correr o dia inteiro e ainda estar em falta com alguma coisa no fim do dia? Todo mundo tem dúvidas, mas faz pose de gênio! Os super-heróis atacam por todos os lados. E os seres humanos deixam de viver as ordens do coração para viver num mundo de aparência.

Fico impressionado com o número de pessoas que se enche de dívidas só para desfilar o carro novo para o vizinho, ou para fazer inveja à amiga com a bolsa de marca famosa, ou para deslumbrar a mulher desejada com um jantar além da sua condição financeira. Pessoas que se cercam de bens materiais e conceitos supérfluos para serem admiradas. Pessoas que não sabem como é bom amar alguém. Não conhecem a essência de um relacionamento. Querem apenas impressionar. Aparentar aquilo que não são.

E os pais super-heróis? Esses querem que os filhos também sejam super-heróis. Lotam a agenda das crianças com aulas e mais aulas. Elas não têm tempo livre sequer para brincar. A ideia dos superpais é preparar os filhos para o futuro. Mas assim as crianças acabam perdendo a infância. Ou seja, não fazem a única coisa realmente importante para se tornar um adulto pleno.

Gostaria de convidar você a refletir um pouco sobre seus heróis. Pense por alguns segundos nas pessoas que você admira. Quando proponho essa reflexão em meus seminários, em geral ouço descrições que lembram os super-heróis das histórias em quadrinhos ou do cinema. Heróis com superpoderes que nada têm a ver com o mundo real.

Apesar de ter plena consciência de que essa imagem não passa de pura fantasia, a maioria das pessoas embarca nela de cabeça. E se ilude querendo mostrar que são superexecutivos, superempresários, supermães, superprofessores, superamantes.

Não estou dizendo que a pessoa que procura dar sempre o melhor de si em cada ação está errada. Ao contrário. É altamente positivo buscar a excelência em cada coisa que fazemos. Isso não quer dizer, no entanto, que sempre sairemos vitoriosos de nossas batalhas. Ninguém consegue ganhar todas as disputas da vida.

Quem exige de si vencer o tempo todo está se candidatando a viver crises de depressão ou, pior ainda, agir sem ética para vencer a qualquer preço. Quem precisa se sentir importante o tempo todo está criando um grande vazio em sua vida… É preciso estar muito consciente para não embarcar nesse jogo de aparências e não se deixar envolver em atividades sem sentido para sua vida.

Acredite: é possível ser feliz com o que você tem e é. Eu digo, com todo carinho do meu coração: da mesma maneira que é importante tirar das suas costas o peso de ser algo que você não é, também é importante tirar esse peso dos ombros de quem está a seu lado. Aliás, nem precisamos ser o que não somos nem precisamos ser perfeitos no que queremos ser. Ser muito bom já é suficiente. Temos de ser bons naquilo para o qual temos talento, o que não significa nos exigir sermos maravilhosos o tempo todo.

Autor: dr. Roberto Shinyashiki