Arquivo de abril de 2010

Assim não há democracia que resista

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Leia com muita atenção e depois me mande o seu comentário.

As autoridades públicas, nos diferentes níveis de poder, parecem ignorar o que lêem, interpretam e dizem seus assessores e consultores instalados em diversos gabinetes da República.

Parecem desconhecer os relatórios nacionais e internacionais sobre a realidade do País.

Parecem desprezar, por exemplo, o estudo comparativo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) que, entre 11 países do mundo, pôs o Brasil em primeiro lugar em mortes violentas.

Esse índice é o dobro de países como África do Sul, México, Argentina, Índia e Rússia, dentre outros rotulados de emergentes que devem ser comparados não somente entre si, mas com os mais desenvolvidos cientifica e tecnologicamente estudados.

Importante notar que não estão computadas as mortes no trânsito nem as praticadas por suicídio.

São mortes de uns contra os outros.

São mortes de muitas causas que variam da violência banalizada até as conseqüências desastrosas da fúria assassina cometida nos tempos atuais, resultado de carências sociais e econômicas, de frustrações, de preconceitos e de intolerâncias e de tantas outras mazelas para as quais a sociedade não se preparou por meio de seus poderes constitucionais, para fazer frente a tanta estupidez e a tanta ignorância, à revelia de status social ou de níveis de escolaridade.

Se as autoridades meditassem sobre a conjuntura brasileira, perceberiam como qualquer cidadão que a absurda situação não é provocada tão somente pelo acelerado desenvolvimento econômico do País em consonância com o atual estágio do mercado globalizado.

Um desenvolvimento que as autoridades o sabem muito bem que não foi e não é acompanhado com uma atualização científica, tecnológica e cultural que capacitasse a sociedade a participar mais diretamente do próprio governo.

E os flancos estão abertos em setores vitais, como se constata com a precária saúde do trabalhador e com o péssimo ensino público.

Nenhuma autoridade educacional deveria se eximir da responsabilidade diante de um quadro escolar em que 80% dos brasileiros lêem, sem compreender o que lêem. Porque leitura sem compreensão não é leitura, obviamente.

Para os mais otimistas, a pesquisa aponta que apenas 5% lêem e compreendem o que lêem.

Em conseqüência, outras atividades intelectuais serão prejudicadas, porque o brasileiro não conseguirá se situar no atual estágio da sociedade do conhecimento, se não souber ler criticamente jornais, revistas e outras linguagens disseminadas no cotidiano das cidades, se não compreender seu entorno econômico e social, a partir do próprio bairro, se não souber analisar dados e informações para a permanente leitura da realidade.

Sem essas leituras, que deveriam ser refletidas nas escolas, o cidadão é obrigado a fazer do voto apenas uma obrigação legal ou a perceber o mundo pelos olhos dos outros.

Culturalmente, isso significa ser massificado e reconciliado com sua condição.

Assim, não há democracia que resista.

As duas vizinhas

terça-feira, 27 de abril de 2010

Havia duas vizinhas que viviam em pé de guerra.

Não podiam se encontrar na rua que era briga na certa.

Depois de um tempo, dona Maria descobriu o verdadeiro valor da amizade e resolveu que iria fazer as pazes com dona Clotilde.

Ao se encontrarem na rua, muito humildemente, disse dona Maria:

“-Minha querida Clotilde, já estamos nessa desavença há anos e sem nenhum motivo aparente. Estou propondo para você que façamos as pazes e vivamos como duas boas e velhas amigas”.

Dona Clotilde, na hora estranhou a atitude da velha rival, e disse que iria pensar no caso.

Pelo caminho foi matutando…

“-Essa dona Maria não me engana, está querendo me aprontar alguma coisa e eu não vou deixar barato. Vou mandar-lhe um presente para ver sua reação”.

Chegando em casa, preparou uma bela cesta de presentes, cobrindo-a com um lindo papel, mas encheu-a de esterco de vaca.

-Eu adoraria ver a cara da dona Maria ao receber esse ‘maravilhoso’ presente. Vamos ver se ela vai gostar dessa”.

Mandou a empregada levar o presente a casa da rival, com um bilhete:

“-Aceito sua proposta de paz e para selarmos nosso compromisso, envio-te esse lindo presente”.

Dona Maria estranhou o presente, mas não se exaltou.

“-Que ela está propondo com isso? Não estamos fazendo as pazes? Bem, deixa pra lá”.

Alguns dias depois dona Clotilde atende a porta e recebe uma linda cesta de presentes coberta com um belo papel.

“-É a vingança daquela asquerosa da Maria. Que será que ela me aprontou?”

Qual não foi sua surpresa ao abrir a cesta e ver um lindo arranjo das mais belas flores que podiam existir num jardim, e um cartão com a seguinte mensagem:

“-Estas flores é o que te ofereço em prova da minha amizade. Foram cultivadas com o esterco que você me enviou e que proporcionou excelente adubo para meu jardim. Afinal, Cada um dá o que tem em abundância em sua vida”.

As dez frases mais usadas pelos gordos

terça-feira, 27 de abril de 2010

1 – “Eu já jantei, mas vou aceitar só um pedacinho!”

2 – “Que saco! Essa roupa não pára de encolher!”

3 – “Eu não como muito… O problema é que tenho tendência pra engordar!”

4 – “Eu só fiquei gordo porque parei de fumar!”

5 – “Essas cadeiras são de péssima qualidade! Quebram por qualquer coisinhaaaaa…” (CATAPLOFT)

6 – “O quê? Essa balança tá maluca?”

7 – “Vou comer esse doce só pra tirar o gosto do salgado!”

8 – “Essa loja é uma droga! Nunca tem roupa do meu tamanho!”

9 – “Hoje tô me sentindo tão fraco… Vou comer mais uma barra de chocolate!”

10 – “As catracas dos onibus estão cada vez menores!”

As caixas de Deus

terça-feira, 27 de abril de 2010

Tenho nas mãos duas caixas que Deus me deu.

Ele disse: “Coloque todas as suas tristezas na preta
e todas as suas alegrias na dourada”.

Eu acatei suas palavras e nas duas caixas guardei tanto as alegrias quanto as tristezas.

Mas, embora a dourada se tornasse mais pesada a cada dia,
a preta mantinha-se tão leve quanto antes.

Curioso, abri a caixa preta.

Eu queria descobrir por quê e vi, no fundo dela, um buraco
pelo qual minhas tristezas haviam saído.

Mostrei o buraco a Deus e brinquei em voz alta:

“Onde será que minhas tristezas foram parar?”

“-Meu filho”, disse Ele, ” a dourada é para você contar suas bênçãos,
a preta é para você soltar.”

As bem-aventuranças de um idoso

terça-feira, 27 de abril de 2010

Bem-aventurados os que mostram compreensão por meus pés trôpegos e por minhas mãos sem forças.

Bem-aventurados os que compreendem que meus ouvidos têm que se esforçar para captar o que me falam.

Bem-aventurados os que parecem saber que meus olhos se tornaram fracos e meu pensamento cansado.

Bem-aventurados os que ficam junto de mim com um sorriso amigo para conversar e me encorajar.

Bem-aventurados os que nunca me dizem: “Esta história o senhor já me contou mil vezes…”

Bem-aventurados os que fazem reviver em mim recordações do passado.

Bem-aventurados os que me deixam perceber que ainda sou amado, respeitado e não deixado à margem da vida.

Bem-aventurados os que, por sua bondade, aliviam os dias que ainda me restam na caminhada para o Pai.

Diferentes pontos de vista

terça-feira, 27 de abril de 2010

Uma indústria de calçados no Brasil desenvolveu um projeto de exportação de sapatos para a Índia.

Concluído o plano, mandou dois de seus consultores a pontos diferentes daquele país para fazer as primeiras observações do potencial de mercado naquela região.

Após alguns dias de pesquisa, um dos consultores enviou o seguinte fax à direção da indústria:

— Senhores, cancelem o projeto de exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos.

Sem saber desse fax, alguns dias depois o segundo consultor mandou o seu:

— Senhores, tripliquem o projeto de exportação de sapatos para a Índia.

Aqui ninguém usa sapatos, ainda.

A mesma situação era um tremendo obstáculo para um dos consultores e uma fantástica oportunidade para outro.

De igual forma, tudo na vida pode ser visto sob aspectos diferentes.

A sabedoria popular traduz essa situação com a seguinte frase:

Os tristes acham que o vento geme; os alegres e cheios de espírito afirmam que ele canta.

Ou: o pessimista olha pela janela e só vê lama.

O otimista, da mesma janela, só vê estrelas brilhando.

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos.

A maneira como encaramos a vida é que faz toda a diferença.

Como criar um delinquente

terça-feira, 27 de abril de 2010

Criar um delinquente é fácil. É só seguir os conselhos abaixo.

Apanhe tudo o que ele deixar jogado: livros, sapatos, roupas, etc.

Faça tudo por ele, para que aprenda a jogar sobre os outros toda a responsabilidade.

Comece a dar a seu filho tudo o que quiser na infância.

Assim, quando crescer, acreditará que o mundo tem obrigação de lhe fazer todas as vontades.

Dê-lhe todo o dinheiro que quiser.

Nunca o deixe ganhar seu próprio sustento.

Por que terá que passar pelas mesmas dificuldades pelas quais passou?

Discuta, com freqüência, na sua presença.

Dessa forma, não ficará muito chocado quando o lar se desfizer mais tarde.

Nunca lhe dê orientação religiosa.

Espere que chegue aos 21 anos e decida por si só.

Quando disser nomes feios, ache bonito.

Isso fará com que se considere interessante!

Satisfaça todos os seus desejos de comida, bebida e conforto.

Negar-lhe qualquer coisa poderá gerar frustrações prejudiciais à vida dele.

Se ele se meter em alguma encrenca, dê a desculpa de que nunca conseguiu dominá-lo.

Tome partido dele contra os vizinhos, professores e policiais.

Todos têm má vontade para com seu filho!

Prepare-se para uma vida de desgosto. É o seu merecido destino.

Como viver bem

terça-feira, 27 de abril de 2010

Siga estes conselhos e viva melhor.

Aceite com simpatia as sugestões que lhe são dadas.

Afaste-se de fatos e pessoas negativas.

Aja prontamente, sem vacilar, quando for necessário.

Ande bem vestido, limpo e perfumado. Goste de sua própria imagem.

Cuidado com as notícias ruins: fique longe delas!

Cultive a alegria, o riso, o bom humor.

Encare a realidade com os pés no chão.

Faça tudo com sentimento de perfeição, prestando atenção aos mínimos detalhes.

Ilumine mais seu ambiente de trabalho e sua casa. A escuridão traz  depressão.

Não reclame e não fale mal dos outros.

Não se drogue por não ser capaz de suportar a própria dor.

Seja alguém sempre pronto a colaborar.

Surpreenda as pessoas com momentos mágicos.