Arquivo de fevereiro de 2012

VOCÊ É CONTRA ESSE CRIME QUE SE PRATICA CONTRA OS ANIMAIS CHAMADO DE “RODEIO”? ENTÃO VAMOS “BOICOTAR A BRAHMA”. POR QUÊ? PORQUE A “BRAHMA SUPER BULL” CONSEGUIU AUTORIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DA CULTURA PARA CAPTAR, VIA LEI ROUANET, R$ 6,4 MILHÕES, COM OS QUAIS PRETENDE REALIZAR 16 RODEIOS EM OITO CIDADES!

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

NOTA DO BLOG:

Em troca, a BRAHMA compromete-se a exibir o slogan do Governo, “Brasil sem Pobreza”.  O slogan deveria ser: “BRASIL SEM POBREZA DE ESPÍRITO”, isto sim.

Vale lembrar que, para o touro entrar corcoveando na arena, uma corda chamada sedém, que lhe envolve os testículos, é puxada bruscamente, fazendo-o pular de dor.

Portanto, Para os amantes dos rodeios, aqui vai uma sugestão: AMARRE UM SEDÉM NO PRÓPRIO SACO ESCROTAL E PUXE”. Depois nos conte o que sentiu.

NOTA ZERO PARA ESSE MALFADADO MINISTÉRIO DA CULTURA!!!

DISPENSA COMENTÁRIOS…

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Charge: Sponholz

NOTA DO BLOG:

LEIA ABAIXO O POST:

“WIKILEAKS: DOS BILHÕES DA COMPRA DE CAÇAS SAIRIA A APOSENTADORIA DE LULA”.

MAIS UM ABSURDO EXIGIDO PELA FIFA!!! Afinal, quem determina as LEIS aqui na “Ilha da Fantasia”? A CONSTITUIÇÃO ou a FIFA?

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Se não for nesta semana, como parece que não será, na próxima a Câmara dos Deputados estará votando a chamada Lei da Copa,  regulamentando princípios para a perfeita realização de maior certame mundial  de futebol, em 2014. Perfeita? Nem pensar, do jeito que as coisas vão, porque para conquistar a designação do Brasil para a Copa, o então presidente Lula  fez concessões  absurdas à Fifa, comprometendo-se a aceitar exigências que contrariavam nossa legislação e até artigos da Constituição.

“Depois da festa dos cravos há que esperar  a conta do florista” – dizia o cômico Raul Solnado em seguida à revolução que derrubou a ditadura em Portugal. Aqui, do outro lado do Atlântico, é a mesma coisa. A Fifa impôs e constam do projeto agora em discussão abusivas disposições, como o fim da meia entrada para estudantes, nos estádios onde se realizarão os jogos; a venda de apenas uma marca de cerveja nos estádios, por coincidência aquela que patrocina a entidade internacional; a proibição de propaganda de produtos esportivos, alimentos e bebidas concorrentes dos que financiam a Fifa,  nas ruas e avenidas que demandarem os estádios; compromisso do governo brasileiro de arcar com despesas decorrentes de inusitados  acontecidos nas capitais escolhidas para sediar  as partidas – e outros absurdos.

Pois agora apareceu mais um: a Fifa exige a proibição de greves e sucedâneos nas cidades escolhidas para abrigar os jogos, alegando prejuízo de bilheteria caso se vejam paralisados os transportes coletivos, os restaurantes, a hotelaria, os funcionários dos estádios e similares.

Convenhamos, trata-se de rasgar a Constituição brasileira, que prevê o direito de greve para todos os trabalhadores. Uma  espécie de imposição nazista ou de ucasse stalinista. Uma humilhação sem paralelo em nossas relações  internacionais. Com a palavra os deputados.

Autor: Carlos Chagas

Pensamento do dia: “O Chico tem provado que, definitivamente, não quer deixar de viver. Está agarrado com unhas e dentes àquilo que mais preza: a própria vida. Ele tem sido minha fonte de inspiração, é nele que eu recarrego as minhas energias, pois, quando o vejo lutando tanto, percebo que não há nada, absolutamente nada, para se queixar da vida”. (Malga di Paula, mulher de Chico Anysio, em nota aos amigos e fãs, no Facebook)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Malga di Paula, mulher de Chico Anysio, escreveu uma nota aos amigos e fãs, noFacebook, para contar como está o estado de saúde do marido e como ele tem passado os últimos dias, já que está internado no CTI do Hospital Samaritano desde o dia 22 de dezembro de 2011.

A empresária explicou que o comediante teve um problema intestinal, que necessitou de uma cirurgia urgente. Ele também foi submetido à sessões de hemodiálise e os rins voltaram a funcionar. Nas últimas semanas, teve uma melhora significativa de todo o quadro, mas outra bactéria bastante poderosa acabou infectando seu pulmão.

Fonte: ISTOÉ

GUARDIOLA NA SELEÇÃO BRASILEIRA? Talvez a fase de testes para a Copa tivesse que ser aplicada em outra função: a de TREINADOR.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

A minha geração (a anterior e imagino que as posteriores também) não tem nada a ver com isso, mas até hoje sofremos na pele o desastre da Copa de 1950 no Brasil. Depois do Maracanazzo, mesmo com cinco Mundiais nas costas, sempre tem alguém para lembrar dele, desde um “maldito” uruguaio a qualquer estudo sociológico sobre as grandes dores da alma humana no século 20.

Daí que hoje, na Suíça, em uma noite de fevereiro de 2012, o Brasil entra em campo contra a Bósnia, para mais um jogo-teste. O problema é que há um outro modo de “ler” essa partida: mais um novo capítulo da série “Procura-se desesperadamente uma seleção para a Copa de 2014 no Brasil”.

A água já bateu. Falta pouco mais de dois anos para o Brasil sediar um novo Mundial. E, parafraseando o diretor de seleções Andres Sanchez, o Mano não tem um time. “É preciso parar com os testes”, disse.

Corte para a Europa. O hoje encantador técnico do Barcelona, o espanhol Pep Guardiola (foto abaixo), 13 títulos em 16 disputados, ameaça sair do melhor time do planeta. Cogita-se na Inglaterra o interesse local em Guardiola para o cargo de técnico do English Team, que está demorando para ser ocupado. Fala-se na Itália que a Inter de Milão vai abrir os cofres para seduzir o técnico.

Não tenho nada contra o trabalho do Mano.

Mas, se formos pensar seriamente que fevereiro de 2012 não está tão longe assim de junho de 2014 (e na importância de uma Copa, no Brasil, para o ego dos brasileiros), talvez a fase de testes tenha que ser transportada para uma outra função: a de técnico. E, para o “país do futebol”, nada melhor que o principal treinador hoje no mundo.

O raciocínio é “simples”: técnico estudioso e vencedor, porém enfadado e querendo desafios >> Guardiola perto da Argentina, terra dos técnicos que ele tanto admira >> o Brasil tem alguns grandes técnicos, que não estão em suas grandes fases >> um especialista em futebol como o colunista Tostão procurando sem encontrar a fonte de onde bebem os supervalorizados treinadores brasileiros >> Guardiola e seu antídoto natural contra duas grandes seleções: a Espanha e a Argentina (leia-se Messi) >> Guardiola no Brasil.

No mínimo, pelas “ligações perigosas” que Ricardo Teixeira parece ter com o presidente do Barcelona, ex-Nike, empresa que patrocina o futebol brasileiro a ponto de interferir até na agenda de jogos da seleção, talvez não seja tão difícil pegar o telefone e ligar para Guardiola, para perguntar: “E aí? Topa?”.

Autor: Lucio Ribeiro (Folha de S.Paulo)

NOTA DO BLOG:

Concordo em gênero, número e grau com o jornalista Lucio Ribeiro. Quais são as pretensões de Mano  colocando  Ronaldinho (anda em campo) Gaucho e deixa no banco Paulo Henrique Ganso?  Lucas entra aos 36 do 2º tempo? Ele tá de brincadeira!!!

A propósito: Kaká e Robinho não serão mais chamados? É brincadeira!!! 

Essa vitória de 2×1 contra a Bósnia não convence ninguém!!!

NINGUÉM PERCEBEU A “MANCADA” DO JOVEM APRESENTADOR? GRATUÍTOS? NÃO MALTRATEM A LÍNGUA PORTUGUESA!!!

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

LIGUE O SOM, CLIQUE, ABRA A TELA E…OUÇA O QUE NINGUÉM PERCEBEU QUANDO A MENSAGEM FOI GRAVADA E CONTINUA NO AR NAS EMISSORAS DE TELEVISÃO.

NOTA DO BLOG?

Ninguém da Catho ou da agência de publicidade viu essa peça que está sendo veiculada nas emissoras de TV? Lamentável, hein?

Meninos, eu vi…

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Acabou o carnaval e tenho de recomeçar a pensar sobre o País. Dizer o quê? O Brasil está difícil de entender nesta mistura de atraso e modernização que o mundo demanda. Nada do que já vi se compara à indefinição angustiante de hoje. Nossas crises eram mais nítidas e nos chocavam pela obviedade. Já vi tantas mudanças políticas…

Eu vi as empregadas gritando, a cozinheira chorando, o rádio dando a notícia: “Getúlio deu um tiro no peito!” Anos depois, ouvi, no estribo de um bonde: “O Jânio renunciou!” Como? Tomou um porre e foi embora depois de proibir o biquíni e brigas de galo. Ali no bonde, entendi que os ‘bons tempos’ da utopia de JK tinham acabado, que alguma coisa suja estava a caminho. Depois, meninos, eu vi o fogo queimar a UNE, onde chegaria o sonhado ’socialismo tropical’, em abril de 64, quando fugi pela janela dos fundos, enquanto o general Mourão Filho tomava a cidade, dizendo: “Não sei de nada. Sou apenas uma vaca fardada!”

Eu vi, como num pesadelo, a população festejando a vitória da ditadura, com velas na janela e rosários na mão; vi a capa do O Cruzeiro com o Castelo Branco, o novo presidente da República, de boné verde, feio como um ET.

Senti que surgia um outro Brasil desconhecido e parecia que estava vendo pela primeira vez as pedras da rua, os anúncios, os ônibus, os pneus dos carros, como um trem fantasma andando pra trás.

Eu, que só vivera até então de palavras utópicas, era humilhado pela invasão do mundo real. Depois, vi a tristeza dos dias militares, Brasil ame-o ou deixe-o, a Transamazônica arrombando a floresta, vi o rosto embotado de Costa e Silva, a gargalhada da primeira perua Yolanda, mandando o marido fechar o Congresso, vi na TV, numa noite imunda e ventosa de dezembro, o decreto do AI-5, o fim de todas as liberdades, a gente enlouquecendo e fugindo pela rua em câmera lenta, criminosos na própria terra; depois, vi a cara do Médici, frio como um vampiro, com sua mulher do lado, magra, infeliz, torcendo pela Copa do Mundo de 70, Pelé, Tostão, Rivellino e porrada, tortura, sangue dos amigos guerrilheiros heroicos e loucos, sentindo por eles respeito e desprezo, pela coragem e pela burrice de querer vencer o Exército com estilingues; não vi, mas muitos viram, meu amigo Stuart Angel morrendo com a boca no cano de descarga de um jipe, dentro de um quartel, enquanto, em São Paulo, Herzog era pendurado numa corda e os publicitários enchiam o rabo de dinheiro com as migalhas do “milagre” brasileiro, enquanto as cachoeiras de Sete Quedas desapareciam de repente.

Depois, eu vi os órgãos genitais do general Figueiredo, sobressaindo de sua sunguinha preta, ele fazendo ginástica, seminu para a nação contemplar; era nauseante ver o presidente pulando a cavalo, truculento, devolvendo o País falido aos paisanos, para nós pagarmos a conta da dívida externa; vi as grandes marchas pelas “diretas” que não rolaram e, estarrecido, vi um micróbio chegando para mudar nossa história, um micróbio, vírus, sei lá, andando pela rua, de galochas e chapéu, entrando na barriga do Tancredo Neves na hora da posse e matando o homem diante de nosso desespero, e vi então a democracia restaurada pelo bigodão do Sarney, o homem da ditadura, de jaquetão, posando de oligarca esclarecido; vi o fracasso do Plano Cruzado, depois eu vi a volta de todos os vícios nacionais, o clientelismo, a corrupção, o País ingovernável, a inflação chegando a 80% ao mês, com as maquininhas do supermercado fazendo “tlec tlec tlec” como matracas fúnebres de nossa tragédia, eu vi tanta coisa…

Vi o massacre de miseráveis pela fome, ou melhor, eu não vi os milhões de mortos pela correção monetária – não vi porque eles morriam silenciosamente, longe da burguesia e da mídia, mas vi os bancos ganhando bilhões no “over” e no “spread”, vi os dólares no colchão, a sensação de perda diária de valor da vida, vi a decepção com a democracia, pois tudo tinha piorado. Vi de repente o Collor vindo de longe, fazendo um “cooper” em direção ao nosso destino, bonito, jovem, fascinando os otários da nação, que entraram numa onda política de veados esperançosos: “Ele é macho, bonito e vai nos salvar!”, e vi logo depois o Collor confiscar a grana do País todo, vi a sinistra careca de PC juntando o bilhão do butim, vi Zélia dançando

 o bolero Besame Mucho com Bernardo Cabral na cara do País quebrado, vi depois a guerra dos irmãos Collor, Fernando contra Pedro, culminando com a campanha pelo impeachment, vi tanta coisa, meninos, e depois eu vi, por mero acaso, por uma súbita cisma de Itamar Franco, vi o FHC chegar ao poder, com a única tentativa de racionalidade política de nossa história nesse antro de fisiológicos e ignorantes e vi a maior campanha de oposição de nossa época, implacável, sabotadora, movida pela inveja repulsiva da Academia contra ele e vi a traição de seus aliados, unidos contra as reformas, agarrados na corrupção ou na doença infantil de suas ideologias mortas; depois, eu vi a tomada do poder pelo PT e tive a esperança de que haveria uma continuação das portas abertas pelo Plano Real e pelas medidas modernizantes do governo de FHC e tive a maior decepção de minha vida, ao ver que jogaram o País numa rota regressista, criando um novo patrimonialismo de Estado: a aliança entre velha esquerda e velha direita, senhores feudais e pelegos, vi depois o governo se transformar num showmício permanente para o bem do Lula, na obsessão de desqualificar os avanços do mundo moderno.

Depois, recentemente, vejo a sucessora Dilma tentando governar, mais lúcida e mais honesta que seus aliados, ocupada o tempo todo em desfazer as armadilhas que seu chefe deixou. Os tempos anteriores eram mais nítidos até em sua sordidez. É difícil analisar nosso momento. É duro para um comentarista político.

A economia vai bem, por sorte apenas. Dilma é legal, seria. Mas é muito grande a ambivalência entre Estado e sociedade, entre pelegos e democratas, entre boas intenções e dependência de alianças sujas. E vejo que não sei o que vejo.

Autor: Arnaldo Jabor

WikiLeaks: dos bilhões da compra de caças sairia a APOSENTADORIA de LULA.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

 Em outubro de 2010, já no final do governo Lula, um funcionário do governo americano no Brasil conversava sobre a compra iminente de aviões de combate pelo Brasil e afirmou a um consultor da empresa de inteligência e análise estratégica Stratfor, Marko Papic, categoricamente: 

“A compra de submarinos é tão sem sentido que só pode ter a ver com propina. Lula provavelmente está cuidando do seu plano de aposentadoria. E veja só: a compra acontece ‘curiosamente’ no fim de seu mandato. O mesmo vale para os jatos. Nosso Departamento do Tesouro é vingativo quando se depara com subornos. Não podemos fazer nenhum negócio real num lugar corrupto como o Brasil. Os franceses não têm esses problemas”.

A informação consta de um dos milhões de e-mails divulgados pelo site WikiLeaks nesta segunda-feira (27). Marko Papic acrescentou:

“Não é que eu discorde, mas acredito que a França também tornou a propina ilegal”.

Segundo o WikiLeaks, o servidor americano finalizou a conversa afirmando:

“Desculpe-me não ter mais informações no que diz respeito à estratégia brasileira. A nossa avaliação é de que isso é puramente suborno. A única diferença é que agora o Brasil tem dinheiro, muito dinheiro, e pode de fato adquirir os equipamentos. Quero dizer, seria mera coincidência eles comprarem tanto equipamento militar da França? Os franceses sabem como realizar subornos”. 

Em dezembro de 2008, o Brasil assinou com a França um acordo no valor de R$ 6,7 bilhões para construção de quatro submarinos Scorpène, uma base naval e um estaleiro

A compra de aviões de combate para a Força Aérea Brasileira, estimado em pelo menos R$ 10 bilhões, ainda não foi concluída. Há dias, a coluna Claudio Humberto revelou que o Brasil se prepara para anunciar em maio a opção pelos caças Rafale (foto acima), produzidos pela francesa Dassault.

Fonte: coluna Claudio Humberto