Arquivo de outubro de 2012

HOJE É O DIA DO SACI-PERERÊ

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Hoje é o Dia que o mundo todo comemora o Dia das Bruxas, que é uma data tipicamente americana.

No Dia das Bruxas as crianças americanas visitam as casas fantasiadas de fantasmas, bruxas e outros monstros e soltam uma frase típica: gostosuras ou travessuras? Se você falar gostosuras, têm que dar balas se falar travessuras, não vou dar porcaria nenhuma! Aí a bruxa pega e você poderá até ter seus globos oculares arrancados por colherinhas de chá por adoráveis criancinhas… Ou ter cocô fazendo parte da fachada de sua casa.

E aqui no Brasil? Como se comemora? Do mesmo jeito! (o que é uma pena, pois temos uma cultura riquíssima) E seria mais divertido se as pessoas lembrassem que hoje é o Dia do Saci, isso mesmo hoje é comemorado o Dia do Saci Pererê esse moleque travesso que foi criado no folclore indígena, e que depois com a influência da cultura africana ele perdeu uma perna numa luta de capoeira, ganhou um gorro e um cachimbo e hoje é esse personagem mais troll do Brasil.

O Saci é alguém travesso, e moleque que vive de aprontar, dá nó em rabo dos cavalos, faz queimar o feijão, assopra e derruba as roupas do varal, assusta os bichos, esconde coisas e você nunca mais às encontra e escreve em blogs!

Ah! É isso mesmo que você leu e como você deve ter notado, quem está escrevendo aqui é o Sacizento e nos dias atuais eu faço isso e te faço repetir as mesmas coisas como, por exemplo: ler a mesma frase duas vezes, Ah! É isso mesmo que você leu e como você deve ter notado, quem está escrevendo aqui é o Sacizento e nos dias atuais eu faço isso e te faço repetir as mesmas coisas como, por exemplo, ler a mesma frase duas vezes, viu como é verdade?

Então hoje dia 31 de Outubro vamos comemorar o Dia do Saci e não o dia das Bruxas! Até porque no Brasil não temos bruxas, só mulheres bonitas! Vamos valorizar a cultura e o folclore nacional! Lançamos um desafio para você:

faça uma traquinagem bem sacizenta e conte para mim o que você aprontou, (dê um trote em alguém!) se você tiver vergonha ou sua religião não permitir conte uma piada para alguém comemore o Dia do Saci deixando alguém bem feliz do nosso jeito, do jeitinho brasileiro.

Fonte: site Sacizento

COMO SÃO “BATIZADOS” OS FURACÕES

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Os nomes de pessoas das tempestades tropicais e furacões como Sandy (foto é  imagem de satélite divulgada pela Nasa), que devastou a Costa Leste dos EUA nesta semana, não são dados aleatoriamente.

“As tempestades podem demorar uma semana ou mais e ocorrer simultaneamente, portanto os nomes reduzem a confusão sobre qual tempestade está sendo descrita”, segundo o site do Centro Nacional de Furacões dos EUA.

De acordo com a agência, o uso de nomes próprios começou a ser feito por um meteorologista na Austrália, no começo do século XX. Ele usou nomes de políticos de quem não gostava para falar dos furacões e, assim, poder dizer ironicamente que “fulano causou grande desastre”.

Durante a Segunda Guerra Mundial, segundo o Centro de Furacões dos EUA, os ciclones ganharam informalmente nomes de mulheres, dados pelos meteorologistas da Marinha.

Na década de 1950, os ciclones do Atlântico Norte começaram a ser chamados com nomes cuja primeira letra seguia a ordem alfabética (Able-Baker-Charlie-etc.). Em 1978, passaram a ser usados tanto nomes de homens como de mulheres.

Hoje, a Organização Meteorologica Mundial tem uma lista de 21 nomes para os próximos seis anos. A intenção é que os nomes sejam curtos e rapidamente entendidos quando pronunciados, para facilitar as comunicações.

Os nomes de furacões que causam muitas mortes e estragos, como o Katrina, entram para uma lista de “aposentados” e não são mais usados para não causar confusão com outros fenômenos históricos. No ano passado, o nome Irene foi “aposentado”.

Fonte: G1

PENSAMENTO DO DIA: “Bancos são instituições que pedem o seu relógio emprestado para lhe dizer as horas, e não o devolvem”. (Mark Twain (1835-1910) – escritor americano)

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Charge: Sponholz

DEU NOS JORNAIS: “GENOINO VAI ASSUMIR VAGA NA CÂMARA FEDERAL EM JANEIRO”. O ex-governador Francelino Pereira perguntaria: “-Que país é esse?”. E o cantor Renato Russo, que imortalizou a pergunta dele, responderia: “-É um país que não pode ser levado a sério…”

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

LIGUE O SOM, CLIQUE, ABRA A TELA E…CURTA.

OS FURACÕES, SEGUNDO ALPINO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Charge: Alpino

NOTA DO BLOG:

Mesmo na desgraça que não se perca a graça. GENIAL.

Contra a avalanche, o jornalista desiste.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012
Como jornalista a serviço de empresas de comunicação, fui processado só uma vez em 31 anos de profissão -a despeito de ter trabalhado a maior parte desse tempo como repórter investigativo e de ter feito dezenas de denúncias graves. E ganhei.

Há menos de quatro anos, criei um blog dedicado à reflexão política e à denúncia de iniciativas visando sufocar a liberdade de expressão, promover ou justificar a corrupção.

Ao longo de sua existência, tornei-me alvo de uma avalanche de processos judiciais. Foram oito ao todo, que me obrigaram a gastar uma fortuna com a contratação de advogados. Como blogueiro, descobri a condição de vulnerabilidade em que se encontram dezenas de jornalistas que decidiram atuar independentemente na internet.

Jamais fui condenado, mas é fato inquestionável que o exercício das garantias constitucionais é excessivamente custoso para quem não está respaldado por uma estrutura empresarial -ou não vendeu a alma ao diabo.

Contratar advogados, pagar custas e honorários, invariavelmente caríssimos, já constitui, em si, uma punição severa, mesmo para quem fatalmente será absolvido ao final de um processo sofrido e demorado.
Foi o que me levou à decisão de parar de publicar no blog.

Os dois primeiros processos vieram do Paraná, de onde uma quadrilha de estelionatários e traficantes de trabalhadores brasileiros para os EUA conseguiu censurar o blog durante alguns meses. A prisão dos denunciados fez com que a censura se extinguisse. Não satisfeitos e embora presos, passaram a pleitear uma indenização por danos morais.

De Mato Grosso chegaram outras quatro ações. O autor é o deputado estadual José Geraldo Riva, réu em 120 processos por peculato, corrupção e improbidade administrativa. Seu mandato foi cassado duas vezes por compra de votos, mas Riva ainda preside a Assembleia Legislativa do Estado, mesmo proibido de assinar cheques e ordenar despesas.

Boa parte dos textos teve como objeto o repúdio às práticas que o STF agora condenou como crimes praticados pelos mensaleiros do PT. O foco era o desvirtuamento ético, e não a questão partidária.

Também critiquei o mata-mata na segurança pública de São Paulo, Estado governado pelo PSDB. Daí brotaram dois outros processos.

O primeiro, uma queixa-crime do ex-comandante Paulo Telhada, que acaba de ser eleito vereador em São Paulo graças à imagem que ele alimenta de matador implacável.
É o mesmo acusado de incitar no Facebook a campanha que culminou em uma série de ameaças ao repórter André Caramante, desta Folha.

O segundo é uma ação por danos morais movida pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, que novamente pôs o blog sob censura.
Não fui o único blogueiro a ter a sua atividade jornalística impedida por uma sequência de ações judiciais.

Outro caso exemplar é a mato-grossense Adriana Vandoni, do blog “Prosa & Política”. Desde 2009, a publicação está censurada judicialmente pelo mesmo José Geraldo Riva.

Não defendo prerrogativas de qualquer natureza para o jornalismo irresponsável. O exercício do jornalismo se torna deletério quando há deslizes éticos, com prejuízos enormes para quem se vê caluniado, difamado ou injuriado.

Também não me insurjo contra o direito dos ofendidos de pleitear reparação diante de distorções e erros da imprensa. O blog, aliás, sempre criticou o engajamento do jornalismo a soldo de políticos suspeitos, que atua como uma máquina de destruir reputações. Tal máquina ataca inclusive jornalistas, como Heraldo Pereira, da TV Globo, e Policarpo Júnior, da “Veja”, vítimas de uma campanha difamatória hedionda movida pela blogosfera estatal.

Minha página eletrônica nunca aceitou qualquer forma de publicidade. Era mantida exclusivamente às expensas da minha renda pessoal auferida como repórter e apresentador da Rede Bandeirantes de Televisão. O exercício da liberdade de expressão, no ambiente cultural de uma democracia que ainda não se habituou à crítica (e a confunde com delitos de opinião), desafortunadamente, se tornou caro demais.

Mas sou forçado a concordar com os que entenderam minha atitude como capitulação. Porque o silêncio compulsório, que é o que desejam os inimigos da liberdade de expressão, só fará agravar o problema.

FÁBIO PANNUNZIO, 51, jornalista, é repórter e apresentador da TV Bandeirantes
NOTA DO BLOG:

Se vivo estivesse, Renato Russo continuaria perguntando:

“-QUE PAÍS É ESSE?”


QUE PENA. O “JT” MORREU. ALIÁS, SERIA MELHOR DIZER: JÁ ESTAVA MORTO HÁ MUITOS ANOS. ESTÁ SENDO ENTERRADO.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O Jornal da Tarde deixará de circular por uma decisão empresarial, tomada para o aprimoramento do foco estratégico do Grupo Estado. A última edição sairá no dia 31 de outubro. A determinação leva em conta o objetivo de investir na marca Estadão com uma estratégia multiplataforma integrada (papel, digital, áudio e vídeo e mobile), para levar maior volume de conteúdo a mais leitores, sem barreira de distância e custos de distribuição.

“Hoje, o meio jornal é a segunda mídia mais importante para a publicidade, com o dobro de participação do terceiro colocado. Daí a estratégia de focar no Estadão, principal marca do Grupo, e de investir em uma plataforma digital mais robusta e avançada”, declara Francisco Mesquita Neto, diretor presidente do Grupo Estado.

Mas a grande novidade estará num importante legado do JT: o Jornal do Carro, maior sucesso editorial do mercado de automóveis. A partir da próxima quarta-feira, dia 7 de novembro, o Jornal do Carro passa a circular encartado no Estadão, ampliado e com novas seções. O Jornal do Carro será a nova marca dos Classificados de Autos do Estadão também às quintas, sábados e domingos.

O novo Jornal do Carro será uma plataforma multimídia de alcance nacional. Aos cadernos semanais publicados no Estadão se somarão, em 2013, um portal com o melhor conteúdo do setor, dicas de compra e exclusiva tabela de preços online, revistas sazonais e eventos, além do já existente programa aos sábados na rádio Estadão ESPN (FM 92,9 e AM 700).

O JT deixará de existir, mas suas principais contribuições permanecem no seu irmão mais velho, o Estadão. Os leitores do JT – que nos últimos anos se aproximaram do universo de leitores do Estadão – já podem perceber esta proximidade por meio da vibração e qualidade do caderno de Esportes, do olhar atento do Metrópole e da criatividade e prestação de serviços do Divirta-se, marca original do JT, que circula toda sexta-feira no Estadão.

Com o objetivo de ampliar a estratégia de marcas que compõem o universo do Estadão, junto ao Jornal do Carro somam-se outros importantes títulos que já marcam a cobertura qualificada do jornal, como os cadernos Paladar, Viagem, Caderno 2, Casa, Economia & Negócios, Link, entre outros. “O Estadão é o jornal número um na Grande São Paulo e, com essas mudanças, vai ficar ainda mais forte”, reforça Francisco Mesquita Neto.

Ao longo de seus 46 anos de circulação, o JT foi polo de inovação e criatividade e, com seus premiados jornalismo e design gráfico e sua prestação de serviços, influenciou gerações de leitores e de profissionais da comunicação.

“O Grupo Estado agradece aos leitores do Jornal da Tarde por todos os anos de convivência, aos anunciantes, pelo apoio com que sempre nos prestigiaram, e a todos os profissionais que participaram dessa história: jornalistas, colunistas, publicitários, equipe de arte, integrantes das áreas comercial e administrativa, e das áreas de produção e distribuição”, finaliza Mesquita Neto.

Fonte: Estadão

NOTA DO BLOG:

Conheço o JT desde o seu lançamento. Era um jornal realmente de vanguarda e tinha no seu corpo de colaboradores, jornalistas da melhor qualidade. Porém, com o passar do tempo, na minha opinião e na opinião de muitos outros jornalistas, o JT passou a ser um jornal comum, como tantos outros, o que me leva, com tristeza,  a afirmar, que não fará nenhuma falta. A minha tristeza se justifica pela mudança radical que ele sofreu nos últimos anos, deixando de ser aquele gostoso “vanguardeiro” que  chegava às bancas e nos “deliciava” diariamente.

É uma pena, mas realmente não fará falta.  

O PT e o fim do JT

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O PT não punirá os ‘mensaleiros’, pois “quem aplica o estatuto (do Partido) somos nós”, declara o presidente da agremiação, o deputado estadual por São Paulo, bom mineiro de Pitangui e meu ex-colega de Jornal da Tarde (cuja última edição, aliás, sai hoje), Rui Falcão.

Caro Rui, por falar em Jornal da Tarde, não é mesmo uma pena que aquele belo projeto do final dos sessenta tenha chegado ao fim? Mas, acho, parar de imprimi-lo vai ser como retirar os tubos que vinham retardando artificialmente uma morte que bem poderia ter ocorrido há trinta anos. Esse JT de UTI que vinha existindo desde os anos oitenta não era mais o nosso.
 
Apesar de tudo, confesso, foi duro ler o anúncio oficial de sua extinção:
“O Jornal da Tarde deixará de circular por uma decisão empresarial, tomada para o aprimoramento do foco estratégico do Grupo Estado.”
A propósito, conversei sobre isso, ontem, com nosso ex-chefe comum e meu amigo, o Dr. Ruy Mesquita. Foi bom lembrar dos velhos tempos, do Murilinho Felisberto, do Ruizito, e de tantos outros amigos e colegas.
Mas estou me desviando do assunto original.
 
Volto à sua declaração, publicada na imprensa de hoje, de que o PT nada fará contra os companheiros que acabam de ser condenados pelo mais elevado tribunal do País por corrupção ativa e formação quadrilha para espoliar os cofres públicos. Isso porque esses crimes não se ajustariam especificamente ao que dizem os estatutos.
Vejo mesmo que chegou a ser mencionado o inciso XII do artigo 231 do estatuto do Partido, que prevê que a pena de expulsão é aplicável quando ocorra “condenação por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitada em julgado”. É isso que não ficou claro. Os crimes não foram considerados infamantes? Quando a sentença for transitada em julgado o partido vai considerar expulsar os envolvidos nos crimes do chamado “mensalão” ?
 
                                JOSÉ DIRCEU, DELÚBIO E GENOÍNO
Outra coisa que me pareceu imprópria é defender que o José Genoíno (que sempre admirei por sua seriedade e correção) deva assumir a vaga de deputado. Se após a decisão do STF ele saiu do Ministério da Defesa para não causar constrangimentos à Presidente Dilma, não causaria também constrangimento ao PT tê-lo como um parlamentar ativo? Não seria melhor consultar o partido como um todo?
Talvez seja o momento de se pensar novamente no que aconteceu com Jornal da Tarde.
Pessoas cheias de poder vão tomando decisões, sem levar em conta a opinião dos demais. Quando começou a mudar, o JT começou a perder leitores.
 
Quando o esquema do mensalão foi descoberto, milhões de pessoas que simpatizavam com o PT por considerá-lo um partido livre de mazelas dessa natureza tomaram o choque e o partido começou a perder eleitores.
 
O Partido vive um momento-chave para definir o que quer ser para o futuro.