Posts com a Tag ‘futebol’

FUTEBOL É O ASSUNTO PRINCIPAL

sexta-feira, 26 de abril de 2013

MAIOR DESTAQUE – Como a aproximação da Copa das Confederações, que nada mais é do que o grande aperitivo da Copa do Mundo, e pelo fato de ambos os certames acontecerem no Brasil, daqui para frente, até o encerramento do Mundial de 2014, os noticiários vão destacar muito mais o futebol do que qualquer outro assunto.

COPA DE 1950 – Para não fugir à regra me antecipo relembrando a Copa do Mundo de 1950 (primeira depois da segunda guerra mundial), que o Brasil sediou, para fazer algumas comparações. Naquela época, como é sabido, além de não existir televisionamento e apoio de patrocinadores, também não havia direitos de transmissão. Muito menos bola com chip, como veremos na edição de 2014.

13 SELEÇÕES – O que poucos sabem, no entanto, é que a Copa de 50 só contou com 13 seleções, que vieram ao Brasil para disputar 22 jogos (em 2014 serão 32 times e 64 partidas). Mais: a duração do torneio foi de apenas 16 dias.

Em 1950, as cidades-sedes eram seis: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba e Recife; em 2014 serão 12, com o acréscimo de Salvador, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Natal e Brasília.

MARACANÃ (1950)

CURIOSIDADES – No Mundial de 50, para quem não sabe, a Argentina preferiu não participar. Como não foi escolhida para ser sede da Copa do Mundo, em protesto resolveu desistir. Assim, da América do Sul, além do Brasil participaram Uruguai, Chile, Paraguai e Bolívia.

Já da Europa vieram as seleções da Suécia, Suíça, Inglaterra, Itália, Iugoslávia e Espanha. E da Confederação Norte-Centro-Americana e do Caribe de Futebol, México e Estados Unidos.

E, dos países da África, Ásia e Oceania, a única seleção que se classificou, na primeira fase, foi a Índia, que acabou desistindo porque seus jogadores jogavam descalços. Como a FIFA havia decidido que a partir da Copa de 1950 passaria a ser obrigatório o uso de chuteiras para a prática do futebol, a Índia preferiu não participar.

REINO UNIDO – As nações que compõem o Reino Unido puderam competir, tendo se reunido à Federação Internacional de Futebol quatro anos antes, após 17 anos de auto-exílio. Foi decidido que o Bristish Home Championship de 1949-50 serviria de eliminatória, com o campeão e vice se classificando para o Mundial.

A Inglaterra terminou em primeiro e a Escócia em segundo. Mas os escoceses também desistiram, porque haviam decidido que só participariam caso tivessem ficado em primeiro lugar.

DESISTÊNCIAS – Além da Índia, a Turquia também optou por não participar. Preocupada com tantas desistências, a FIFA convidou a França e Portugal para preencher as vagas. Ambas, porém, declinaram do convite.

No início, a França até concordou em participar. Como a infraestrutura no Brasil era muito precária (coisa que acontece até hoje), e muitas viagens da Europa para o Brasil eram feitas por navio, os franceses exigiram mudança de local dos jogos no Brasil. A então CBD recusou e com isso a França acabou desistindo.

SEM FINALÍSSIMA – Com toda essa encrenca, dos 16 times originalmente previstos, somente 13 disputaram o torneio, que teve duração de apenas 16 dias. O que foi considerado um fiasco pela mídia internacional.

Agora o mais curioso e que muita gente desconhece: a Copa do Mundo de 1950 não teve uma finalíssima.

Como a fórmula do torneio previa um quadrangular final, as quatro equipes que se classificaram em primeiro em seus grupos (Brasil, Uruguai, Espanha e Suécia) formaram um novo grupo e disputaram partidas entre si. Por mera coincidência, a última partida do quadrangular acabou por reunir Brasil e Uruguai. Como o Uruguai tinha 3 pontos (havia empatado com a Espanha) e o Brasil 4 (havia ganhado duas, contra Espanha e Suécia), e não poderiam mais ser alcançados pelas demais, só um dos dois tinha condições de se sagrar campeão do mundo. Para o Brasil, o empate bastava; No caso do Uruguai, só a vitória interessava.

O resultado, que os brasileiros jamais esquecem, foi 2×1 para o Uruguai, que se tornou Campeão do Mundo, em pleno estádio do Maracanã, totalmente lotado.

Fonte: Ponto Critico.Com

UM PAPA “CHEGADO” EM FUTEBOL

quinta-feira, 14 de março de 2013

O Papa é argentino. Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi escolhido no conclave como o novo líder da Igreja Católica.

Nomeado como Papa Francisco I, o agora ex-arcebispo de Buenos Aires gosta de futebol e é um torcedor fiel do San Lorenzo.

No centenário do clube, em 2008, o pontífice recebeu uma carteira especial de sócio. Nas festividades, celebrou a missa especial.

Bergoglio assistia aos jogos do San Lorenzo, tendo como inesquecível a campanha de 1946, e também aos da equipe de basquete, onde jogava seu pai.

O time de Almagro, um dos mais tradicionais e populares da capital argentina, tem 104 anos de história e 10 títulos nacionais na era profissional. O nome é uma homenagem ao Padre Lorenzo, que ajudou na fundação do clube.

A religião não impede um padre de torcer por um time de futebol. Entre os cardeais, não surpreende a escolha por equipes com nomenclatura religiosa.

O brasileiro Dom Odilo Scherer, arcebispo paulista, era um dos cotados na escolha do pontífice. Seu time do coração? São Paulo Futebol Clube

No Brasil, aliás, são várias as opções com essa conotação, como Santos, Santa Cruz, São Caetano, Santo André, São Cristóvão…

Voltando ao novo Papa, eis o seu lema: “Caminho do amor e da fraternidade”.

Esta fazendo falta no futebol.

A escolha, claro, causou furor no país vizinho, como demonstra a manchete do Olé, instantes depois do anúncio: “Maradona, Messi… Y ahora Bergoglio.”

por Cassio Zirpoli

TORCEDOR DE FUTEBOL OU ASSASSINO? Uma imagem registrada por um canal de televisão boliviano mostra um sinalizador sendo lançado do meio da torcida do Corinthians presente no estádio Jesús Bermúdez, em Oruro, palco do jogo entre o time paulista e o San José, pela Copa Libertadores.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

LIGUE O SOM, CLIQUE E ABRA A TELA

NOTA DO BLOG:

Parece que a melhor solução é realizar as partidas de futebol com os portões dos estádios lacrados, sem a presença de público e mostradas apenas pela televisão. É o que está faltando acontecer e um dia talvez aconteça, para tristeza daqueles que realmente apreciam uma partida de futebol.


Sou daquele tempo que íamos ao estádio vestindo a camisa do time do coração e sentávamos ao lado do torcedor do time rival que também portava a camisa do seu clube. Não era necessário separar as torcidas como, infelizmente, ocorre hoje.

Uma partida de futebol era um momento festivo, de muita descontração. Hoje, não é mais. Lamentavelmente.

EM TEMPO: Ministro Aldo Rebelo pede punição a torcedor responsável por morte

“É lamentável que em uma festa do futebol um torcedor, seja ele brasileiro ou boliviano, seja vitima de violência. Isso é inaceitável. Os responsáveis por esse episódio e por outros têm de pagar”, disse o ministro. “A certeza da punição certamente reduzirá a ousadia dos que praticam esse tipo de ato. O futebol não é para isso”, completou.

Uma homenagem à turma de cabelos brancos

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Um jovem muito arrogante, que estava assistindo a um jogo de futebol,  tomou para si a responsabilidade de explicar a um senhor já maduro, próximo dele, porque era impossível a alguém da velha geração entender esta geração.

“-Vocês cresceram em um mundo diferente, um mundo quase primitivo!”, o estudante disse alto e claro de modo que todos em volta pudessem ouvi-lo.

“-Nós, os jovens de hoje, crescemos com Internet, celular , televisão, aviões a jato, viagens espaciais, homens caminhando na Lua, nossas espaçonaves tendo visitado Marte. Nós temos energia nuclear, carros elétricos e a  hidrogênio, computadores com grande capacidade de
processamento e ….,”
– fez uma pausa para tomar outro gole de cerveja.

O senhor se aproveitou do intervalo do gole para  interromper a liturgia do estudante em sua ladainha e disse:

“-Você está certo, filho. Nós não tivemo essas coisas quando éramos jovens porque estávamos ocupados em inventá-las. E você, um bostinha arrogante dos dias de hoje, o que está fazendo para a próxima geração?”

Foi aplaudido de pé !

Charge: Marcos Borges

(desconheço a autoria. Enviado pelo amigo Marcio Taconi)

CONTAGEM REGRESSIVA PARA A COPA: Faltam 17 meses, 12 estádios, 1 seleção, 1 técnico, 305 hotéis, 14 aeroportos, 120 mil km de rodovias, 2 mil km de metrô, 6 trens-bala, 115 favelas pacificadas, 33 mil soldados preparados, 2 mil restaurantes e 150 mil motoristas de táxi falando inglês.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Pensamento do Dia: “Se há um Deus que regula o futebol, esse Deus é sobretudo irônico e farsante, e Garrincha foi um de seus delegados incumbidos de zombar de tudo e de todos, nos estádios. Mas, como é também um Deus cruel, tirou do estonteante Garrincha a faculdade de perceber sua condição de agente divino. Foi um pobre e pequeno mortal que ajudou um país inteiro a sublimar suas tristezas. O pior é que as tristezas voltam, e não há outro Garrincha disponível. Precisa-se de um novo, que nos alimente o sonho”. (Carlos Drummond de Andrade)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Craque Imortal – Garrincha

Image

Nascimento: 28 de Outubro de 1933, em Pau Grande (RJ), Brasil. Faleceu em 20 de Janeiro de 1983, no Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Posição: Ponta-direita

Clubes: Botafogo-BRA (1953-1965), Corinthians-BRA (1966), AA Portuguesa-BRA (1967), Atlético Júnior-COL (1968), Flamengo-BRA (1968-1969) e Olaria-BRA (1972).

Principais títulos por clubes: 1 Torneio Internacional de Paris (1963), 1 Torneio Internacional da Colômbia (1960), 1 Torneio Pentagonal do México (1962), 1 Torneio Jubileu de Ouro da Associação de Futebol de La Paz (1964), 2 Torneios Rio-SP (1962 e 1964) e 3 Campeonatos Carioca (1957, 1961 e 1962) pelo Botafogo.

1 Torneio Rio-SP (1966) pelo Corinthians.

Principais títulos por seleção: 2 Copas do Mundo (1958 e 1962) pelo Brasil.

Principais títulos individuais:

Bola de Ouro da Copa do Mundo da FIFA: 1962 

All-Star Team da Copa do Mundo da FIFA: 1958 e 1962 

13º Maior jogador do século XX pela revista France Football: 1999

20º Maior jogador do século XX pela revista Inglesa World Soccer: 2000

7º Maior Jogador do Século XX pelo Grande Júri FIFA: 2000

Presente na seleção do século XX da FIFA

Presente na seleção de todos os tempos da Copa do Mundo da FIFA do século XX

 “A alegria do povo”

A camisa 11 sempre foi digna de grandes craques do futebol, daqueles dribladores, goleadores e encantadores. Porém, ninguém ficou tão marcado como legítimo camisa 11 como Manuel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha. Mané foi um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro e mundial e tido como o maior driblador de todos os tempos. Os lances geniais, a fatal puxada de bola para a direita, os cortes secos e os zagueiros esfacelados no chão o fizeram receber o apelido de “O Anjo das Pernas Tortas”, “anjo” por ser dócil, simples e muito amigo, e a relação com as pernas pelo fato de elas serem visivelmente disformes e realmente tortas. Garrincha também foi a “Alegria do Povo” pelo fato de protagonizar lances geniais, de moleque, e jogar o simples e fácil do futebol. Ele é, ao lado de Romário e Maradona, um dos três ícones que tiveram a proeza de vencer uma Copa do Mundo praticamente sozinho. Foi em 1962, quando o Brasil depositou nele as esperanças de título após a contusão de Pelé. E o gênio deu conta do recado, passou por todo mundo e deu o bicampeonato mundial ao Brasil. O Imortais relembra agora a carreira desse moleque da bola.

O início e os deboches

Image

Mané teve uma infância humilde ao lado de seus 15 (!) irmãos em Pau Grande, distrito de Magé (RJ). Sua irmã lhe deu o apelido de Garrincha por conta de o garoto adorar caçar esse tipo de passarinho, muito comum na região. O tempo passou e Garrincha começou a se interessar pelo futebol. Ele começou a jogar no Esporte Clube Pau Grande, em 1952, e até chegou a tentar a sorte no Flamengo e no Vasco, mas foi grossamente rejeitado por sua particularidade: as pernas tortas. Numa perspectiva frontal, a perna esquerda de Mané, seis centímetros mais curta que a direita, era flexionada para o lado direito, com a perna direita apresentando o mesmo desenho. Por conta disso, os clubes não aprovaram o jogador, que teve de esperar até surgir a sua chance definitiva.

Nova casa

Image

Certa vez, Arati, ex-jogador do Botafogo, viu Garrincha jogar em seu pequenino clube em Pau Grande e ficou abismado com a habilidade e o jeito moleque do futuro craque. Com isso, ele levou o jovem a fazer um teste no clube de General Severiano. Antes de entrar em campo para seu primeiro teste, o então técnico do Botafogo, Gentil Cardoso, lançou um comentário que o faria queimar a língua mais tarde. “Nesse time aparece de tudo, até aleijado!”. Mané nem deu bola e tratou de entrar em campo para mostrar serviço. O jogador era Ponta-direita e no treino teria que enfrentar o mito Nilton Santos, lateral esquerdo do clube. Bastaram apenas alguns minutos para Mané deixar Nilton simplesmente atordoado e sem rumo com tantos dribles, cortes e canetas que levou. Depois do coletivo, Nilton Santos, já bastante influente no time, exigiu de imediato a contratação de Mané. “Eu não quero ter que enfrentar esse cara de jeito nenhum!”. Dito e feito, o craque assinava, enfim, seu primeiro grande contrato. Mal sabiam os botafoguenses que começava ali a história do maior ídolo do clube alvinegro.

Era de ouro

Image

O Botafogo era o maior esquadrão do Brasil na década de 50. Com vários craques como Didi, Quarentinha, Amarildo, Zagallo, Nilton Santos e o próprio Garrincha, apenas o Santos, no final da década de 50 e ao longo da de 60 iria bater de frente com o time carioca. Garrincha estreou no clube em 1953, em jogo contra o Bonsucesso, que teve vitória do alvinegro e um gol de Garrincha. O craque começou a brilhar em muitas partidas pelo time e a fazer apresentações brilhantes, porém, pelo fato de o Brasil já ter ótimos jogadores na ponta-direita, como Julinho Botelho, ele ficou de fora da Copa do Mundo de 1954. Em 1957, Garrincha jogou demais e marcou 20 gols em 26 jogos que ajudaram o Botafogo a vencer o Campeonato Carioca daquele ano, com a maior goleada da história da competição em uma final: Botafogo 6×2 Fluminense, com 5 gols de Paulinho Valetim e um gol de Mané. As apresentações do jogador foram cruciais para ele ser convocado para sua primeira Copa do Mundo, em 1958.

Image

Começa a mais famosa das parcerias

Image

Na Copa do Mundo de 1958, disputada na Suécia, a seleção brasileira teria a consagração da maior dupla da equipe em todos os tempos: Garrincha e Pelé. Com os dois em campo, a seleção nunca perdeu uma partida. A lenda começou apenas no terceiro jogo do mundial, pois ambos ficaram no banco na vitória sobre a Áustria por 3 a 0 e no empate sem gols contra a Inglaterra. Após o frustrante empate, um grupo de jogadores do Brasil teria ido falar com o técnico Vicente Feola exigindo a escalação de Pelé e Garrincha. O fato nunca foi confirmado, mas no jogo contra a URSS os dois entraram em campo. E o Brasil deu show. Com dois gols de Vavá, o Brasil venceu por 2 a 0, mas o placar não refletiu o que foi o jogo. A seleção só não goleou de maneira impiedosa os soviéticos porque na meta deles havia o maior goleiro de todos os tempos: Lev Yashin, o “Aranha Negra”. O goleirão salvou gols incríveis, e “garantiu” a magra derrota placar para a seleção europeia. A vitória encheu o Brasil de moral, que avançou as quartas de final.

Parada dura

Image

Novamente contra uma seleção britânica, o Brasil suou, mas dessa vez marcou um golzinho salvador e venceu País de Gales por 1 a 0, num golaço de Pelé, que chapelou o zagueirão adversário e estufou a rede: histórico! Na semifinal, o Brasil encarou a máquina de fazer gols da França, que tinha a dupla Fontaine (artilheiro daquela Copa com 13 gols, recorde até hoje em uma só edição de mundial) e Kopa. Mas a seleção não se intimidou e venceu com categoria. Garrincha novamente jogou muito e municiou o ataque da seleção, que venceu por acapachantes 5 a 2. O Brasil estava pela segunda vez na história na final.

Image

O filme inverso

Image

O Brasil decidiu contra a dona da casa, a Suécia, a Copa de 1958. A seleção poderia ter o gosto que o Uruguai teve em 1950 em tirar do anfitrião o gosto de ser campeão jogando em casa. Naquele jogo, a seleção teve de jogar de azul, já que a Suécia também vestia amarelo. Um sorteio realizado dois dias antes do jogo definiu que a equipe anfitriã jogaria com a camisa amarela. Com isso, o roupeiro da seleção Francisco de Assis teve de procurar um jogo de camisas azuis e bordar os logos da CBD que estavam nas camisas amarelas na nova roupagem. Mal sabia ele que seriam com aquelas camisas azuis escuras que seríamos pela primeira vez campeões do mundo.

Outro show e a conquista do mundo

Image

Logo no começo do jogo, a Suécia abriu o placar, aos 4´. Era a primeira vez que a seleção saía atrás do marcador na Copa. Didi, gênio do meio campo brasileiro, teve toda a calma ao pegar a bola, caminhar com tranquilidade até o círculo central e dizer, segundo o folclore da bola: “vamos encher esses gringos!”. E o Brasil encheu. Vavá, aos 9´ e aos 32´, virou o jogo e deixou o Brasil com a vantagem ao final do primeiro tempo. No segundo, um show. Pelé aos 10´ (outra pintura do menino-rei, chapelando o zagueiro, num de seus gols mais emblemáticos) e Zagallo aos 23´ fizeram 4 a 1. A Suécia ainda diminuiu aos 35´, mas Pelé marcou o quinto, de cabeça. Assim que saiu o gol, o juiz apitou o final do jogo: o Brasil, pela primeira vez em sua história, era campeão mundial de futebol. A euforia tomou conta de todos os jogadores, e as imagens de Pelé chorando como um bebê e do capitão brasileiro Bellini erguendo para os céus a taça ficaram marcadas para sempre. A seleção desfilou com uma bandeira da Suécia pelo gramado, e recebeu ovacionados aplausos: todos saudavam os melhores do mundo. E Garrincha era um deles, peça essencial e fundamental para a conquista do Brasil.

Image

Escrevendo o nome na história

Image

Após o mundial, Garrincha virou estrela e um dos maiores jogadores do Brasil. Se tornou titular mais que absoluto no Botafogo e ajudou a equipe a conquistar os Campeonatos Cariocas de 1961 e 1962, derrotando em ambas as decisões o Flamengo pelo mesmo placar: 3 a 0, com Mané brilhando em 1962, ao marcar dois gols na decisão. O craque venceu, também, o Torneio Rio-SP de 1962, quando o time carioca derrotou o Palmeiras na final e ficou com o título.

Image

Garrincha brilhou ainda nas muitas excursões do Botafogo pela Europa e América Latina, que renderam títulos amistosos, reconhecimento e popularidade não só ao jogador, mas também ao clube do Botafogo. Porém, a equipe começaria a ser ofuscada pelo Santos de Pelé, que rivalizaria com o time naquele começo de década de 60 e dominaria o país (e o mundo) nos anos seguintes. Antes, Garrincha é quem iria dominar o mundo, na Copa de 1962.

Image

Problemas no início

Depois de 12 anos, a Copa do Mundo era disputada novamente na América do Sul, dessa vez no Chile. O Brasil estreou contra a seleção do México, e, sentindo demais o peso da estreia, venceu por apenas 2 a 0. E jogando muito mal. Os gols foram de Zagallo e Pelé. Na segunda partida, um empate sem gols contra a Tchecoslováquia que teve sabor de derrota: com uma distensão na perna, Pelé se contundiu e ficou fora da Copa. E agora, quem poderia ser a estrela do time no ataque, marcar gols, construir obras primas e ser a referência no restante do mundial? Oras, Garrincha!

Classificação, no sufoco

Image

Sem Pelé, e com Amarildo no lugar do Rei, o Brasil penou para vencer a Espanha de Gento e do craque Puskás, que se naturalizara espanhol. O substituto Amarildo foi quem marcou os dois gols que decretaram a vitória de virada do Brasil por 2 a 1. O resultado classificou a seleção e eliminou a Espanha, que de fúria não teve nada naquele mundial…

Baile de Mané

Image

Nas quartas de final, o Brasil encontrou a velha conhecida Inglaterra. A seleção deu show, Garrincha jogou muito, driblou inúmeros ingleses, e ajudou com seus dois gols (o outro foi de Vavá) a dar a vitória ao Brasil por 3 a 1. Um fato curioso naquele jogo foi a invasão de um cãozinho no campo, que conseguiu driblar ninguém mais ninguém menos que Garrincha, em uma das cenas mais divertidas das Copas.

Mais um baile de Garrincha

Image

Nas semifinais, o Brasil enfrentou a valente seleção do Chile, dona da casa. O jogo foi dominado desde o início pelo Brasil, que abriu 2 a 0 com dois gols de Garrincha. No final do primeiro tempo, o Chile descontou. No comecinho do segundo, Vavá fez o terceiro do Brasil, mas Sanchez diminuiu de pênalti. Mas aos 33´, Vavá marcou mais um e deu a vitória por 4 a 2 à seleção. Perto do final do jogo, porém, um drama: Garrincha deu um chute em um jogador chileno e foi expulso. Como o Brasil jogaria a final sem ele?

Falta de provas garante craque na decisão

O tribunal da FIFA analisou o caso da expulsão de Garrincha na semifinal contra o Chile. No relatório breve e sem detalhes do juiz peruano Arturo Yamazaki, constava que ele não havia visto o chute de Garrincha no adversário. Os jogadores do Chile que o alertaram, e Arturo foi consultar o bandeirinha uruguaio Esteban Marino, que confirmou o chute. Marino foi convocado a depor, mas ninguém o achou, já que ele tinha ido viajar a Montevidéu. Por falta de provas, a FIFA apenas advertiu Garrincha, e o craque pôde jogar a final. Dizem que a tal viagem foi patrocinada pela CBD. Mas isso faz parte do eterno folclore do futebol…

Mundo verde e amarelo

Image

Na decisão, o Brasil encontrava novamente a Tchecoslováquia. Por ironia do destino, Garrincha, que não deveria ter jogado, estava com 38o graus de febre e teve uma atuação discreta. Os nomes do jogo foram Vavá, matador nato e autor de dois gols, e Amarildo, que deixou mais um, mostrando estar mesmo abençoado por Pelé. Como em 58, o Brasil começou perdendo, mas virou, fez 3 a 1, e conquistou o bicampeonato mundial de futebol. A seleção se igualava ao Uruguai e a Itália como bicampeã mundial, e ficava mais próxima da posse definitiva da Taça Jules Rimet. O zagueiro Mauro levantou aos céus novamente a taça, imortalizando de vez o gesto de Bellini quatro anos antes. Ninguém podia com o Brasil. Ninguém podia com Garrincha. Éramos “bons no samba, e bom no couro”. Era o auge do gênio das pernas tortas.

Começam as vacas magras

Image

Garrincha começou a passar por maus momentos na carreira depois de 1963. Ele sofria constantemente por conta de uma artrose nos joelhos e também pelo vício em bebida. Ficou no Botafogo até 1965 quando se transferiu para o Corinthians. No clube paulista, não brilhou, e começou a vagar por várias equipes: Portuguesa Carioca, Atlético Júnior (COL), Flamengo e Olaria, onde iria encerrar a carreira, em 1972.

Pequenas exibições e o fim

Image

Depois de pendurar as chuteiras em 1972, Garrincha fez algumas partidas amistosas pela seleção e por clubes até parar definitivamente em 1982. Muito debilitado pelo alcoolismo, Garrincha morreu aos 49 anos em 1983, vítima de cirrose hepática. Em seu simples caixão de madeira, foi com ele uma bandeira do Botafogo, seu grande e idolatrado clube.

Um mito cheio de histórias

Image

O triste fim de Garrincha não condiz em nada com a sua breve, porém alegre e brilhante carreira. Ele sempre se referia aos seus adversários como “João”, driblava um mesmo adversário mais de uma vez apenas pelo prazer em jogar bola e adorava lances de efeito sempre em direção ao gol. As atuações de Garrincha ficaram para sempre na memória de quem teve o privilégio de vê-lo jogar, de arrebentar com os oponentes e de fazer a alegria do povo. Pouco tempo depois de sua morte, o célebre poeta Carlos Drummond de Andrade imortalizou o que foi Garrincha para o nosso futebol em um poema genial:

“Se há um Deus que regula o futebol, esse Deus é, sobretudo, irônico e farsante, e Garrincha foi um de seus delegados incumbidos de zombar de tudo e de todos, nos estádios. Mas, como é também um Deus cruel, tirou do estonteante Garrincha a faculdade de perceber sua condição de agente divino. Foi um pobre e pequeno mortal que ajudou um país inteiro a sublimar suas tristezas. O pior é que as tristezas voltam, e não há outro Garrincha disponível. Precisa-se de um novo, que nos alimente o sonho”.

Image

O Brasil teve outros tantos jogadores mágicos, habilidosos, goleadores e decisivos. Porém, nunca mais tivemos alguém com tanta alegria, tanta simplicidade e tanto futebol para apresentar e protagonizar como Garrincha. Um imortal do futebol.

Números do craque:

Jogou 614 partidas pelo Botafogo e marcou 245 gols.

Jogou 61 partidas pelo Brasil e marcou 17 gols.

Marcou mais de 280 gols na carreira.

Image

Fonte: Imortais do Futebol

LIGUE O SOM, CLIQUE, ABRA A TELA E…CURTA

Escolinha de futebol do prof. Raimundo

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

LIGUE O SOM, CLIQUE, ABRA A TELA E…DIVIRTA-SE.

(desconheço a autoria)

PARABÉNS, CAMPEÃO DO MUNDO !!!

domingo, 16 de dezembro de 2012